CÃES: CUIDADOS DE HIGIENE


As rotinas de higiene        são aplicadas no dia-a-dia para ajudar a manter o cão bonito e saudável. É ideal iniciá-las aos 60 dias de vida, para se tornarem normais para o cão. Peça a alguém que o segure, se ele oferecer resistência. É recomendado, na primeira vez, fazer as rotinas com acompanhamento veterinário. Afinal, a saúde do seu cão está em jogo.


OUVIDOS


Limpar os ouvidos combate microorganismos causadores de inflamação do canal auditivo (otite), dor e mau cheiro. Mas atenção: não retire cera demais da parte interna do canal auditivo - ela serve para proteger.


A higienização é especialmente importante nos cães com orelhas dobradas, como o Cocker, Beagle e Basset Hound. Seus ouvidos ficam quentes e úmidos, com acúmulo de cera, ambiente ideal para proliferação de fungos e bactérias. As orelhas dobradas são também mais sujeitas a acumular poeira, por encostar no chão enquanto o cão fareja.


Na hora do banho, dificulte a entrada de água no canal auditivo, usando um chumaço de algodão embebido em óleo Johnsons ou óleo de amêndoas.


Como limpar: ponha um chumaço de algodão em volta do dedo e embeba-o com óleo Johnsons, óleo de amêndoas ou glicerina. Atenção: não use álcool ou éter sem recomendação veterinária específica, pois ressecam o pavilhão auditivo, causando otite.


Passe o algodão com movimentos leves e circulares em todo o pavilhão externo, para trazer a secreção para fora. Higienize também as dobras internas e o início do canal auditivo, sem introduzir o algodão muito fundo. Retire o excesso de óleo com algodão seco. Periodicidade: semanal. Ajuda a detectar: otite (excesso de cera associado a odor forte), tratada com antibiótico. E sarna no canal auditivo (secreção pastosa preta), tratada com pomada ou gotas acaricidas.


Como arrancar pêlos: para evitar o acúmulo de sujeira e infecções nos ouvidos muito peludos, como os do Poodle, Cocker, Maltês, Bichon e Yorkshire, puxe apenas os pêlos internos do pavilhão do ouvido, aos tufos. O puxão não machuca o cão, apenas o incomoda momentaneamente. Trabalhe com os dedos, sem usar pinça - ela pode escorregar e machucar.


UNHAS


O cuidado é necessário quando as unhas crescem demais e ferem as patas do cão ao caminhar (é melhor não cortá-las; há risco de atingir a veia que há nas unhas dos cães). A causa é o desgaste natural insuficiente, por falta de atrito nas unhas, em geral devido à vida sedentária ou a pisos lisos.


Como lixar: use uma lixa específica para cães ou o lado mais áspero de uma lixa de unhas humanas. Desgaste a unha até deixá-la com acabamento arredondado e curta, sem ficar rente ao dedo. Periodicidade: duas a três vezes por semana. Ajuda a detectar: micose de unhas, carrapatos e problemas nos dedos e patas, como frieiras, verrugas e tumores.

OLHOS


A limpeza dos olhos elimina o incômodo causado pela remela. É um cuidado válido para todos os cães. Já o corrimento constante é mais freqüente em alguns exemplares, causando acúmulo de poeira e infecções (conjuntivites). As causas mais comuns são o globo ocular muito exposto, como o do Lhasa Apso, Shih Tzu e Pequinês; as orelhas longas que encostam facilmente no chão e levam sujeira aos olhos, como as do Cocker; as pálpebras caídas, como as do Basset Hound, e os dutos lacrimais estreitos, como os do Poodle e Bichon Frisé.


Evite que esses cães tomem muito vento nos olhos, cuidando para não deixá-los expor a cabeça fora da janela do carro em movimento.


Como limpar remela: passe diariamente um algodão seco no local. Só o umedeça com soro fisiológico ou água boricada se houver muita remela endurecida.


Como limpar o corrimento: passe um a algodão umedecido com água boricada ou soro fisiológico no canto do olho e na região percorrida pela lágrima. Periodicidade: diária. Ajuda a detectar: conjuntivite (secreção muito intensa amarelada ou esverdeada; mucosa do olho muito avermelhada).


DENTES


O tártaro acumulado nas gengivas as inflama, causa mau-hálito e perda precoce de dentes. Uma prevenção é estimular o cão a roer e a mastigar. Entre as opções há biscoitos para cães, cordas específicas (há quem as chame de fio dental), ossos e couros comestíveis (cozer servir frios os de boi; nunca dar osso de frango, que depois de mordido fica perfurante), ossos não comestíveis e bolas de borracha dura. Ofereça o produto com cuidado, com tamanho compatível, para não haver ingestão indevida e asfixia.


Como limpar: use uma dedeira própria para esse fim. Molhe-a antes ou passe pasta dental especial para cães (o uso é opcional). Massageie as gengivas, inicialmente pouco e aumente gradativamente. O fundamental é tentar prevenir o acúmulo de placa nas gengivas. Não se preocupe se houver dentes amarelados: é normal.


Se optar pelo uso de pasta dental, não utilize a humana - ela contém substâncias que podem irritar a mucosa gástrica do cão. As pastas dentais ajudam a prevenir o tártaro, por mudar o pH da saliva, e algumas facilitam a escovação, por ter sabor agradável.


Em vez de dedeira, pode ser usada uma escova especial macia e com cabeça pequena (de criança por exemplo), ou uma enrolada no dedo. Periodicidade: duas a três vezes por semana. Ou diariamente, se o cão tiver tendência a mau hálito e acúmulo de tártaro. Ajuda a detectar: placa bacteriana de tártaro (amarelada) nas gengivas. Não conseguindo reverter o acúmulo, um veterinário precisará fazer a limpeza.


PÊLOS E PELE

Em geral, os cães adoram ser escovados, momento de maior proximidade com o dono. A escovação massageia a pele, ajuda a fortalecer a pelagem e remove pêlos mortos. Os pinos devem penetrar bem entre os pêlos para massagear a pele. Periodicidade: dia sim, dia não, e, na muda, diariamente. Ajuda a detectar: parasitas, dermatites (inflamações da pele) micoses.

Como escovar pêlos curtos: use uma luva com pinos de borracha e passe no sentido do crescimento dos pêlos.


Como escovar pêlos longos: passe uma escova de pinos sem bolas nas pontas no sentido do caimento dos pêlos (os pinos das boas escovas para cães são de aço).