COCEIRAS QUE INCOMODAM OS CÃES


É normal o cão ter coceiras esporádicas. Contudo, se elas se tornarem freqüentes, com queda de pêlos e feridas pelo corpo, podem causar grande inquietude, falta de apetite, perda de peso e infecção crônica de pele.


CAUSAS MAIS FREQÜENTES


Dermatites alérgicas


  • Por picada de pulgas: causa coceira intermitente com queda de pêlos. Ocorre mais na base da cauda, nas pernas e na barriga, mas em casos crônicos pode atingir outras partes do corpo, como o dorso. É tratada com antipulgas e, se a alergia for forte, com antialérgicos corticóides ou não esteróides.


  • Por inalantes: conhecida como atopia, origina-se de poeira, ácaros, pólen, desinfetantes e outros produtos químicos aspirados pelo cão. A coceira aparece primeiro no abdômen e depois se espalha pelo corpo. Há também queda de pêlo, feridas na pele com infecções, pêlo seco ou engordurado e escurecimento da pele. Evite o contato do cão com a substância que lhe causa alergia. Os sintomas são combatidos com anti-alérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e, havendo feridas infectadas, antibióticos.


  • Medicamentosa: aparece primeiro na barriga e se alastra por outras áreas, causando coceira, queda de pêlo, feridas na pele com infecções, pêlo seco ou engordurado e escurecimento da pele. Evite o uso de medicamentos que já causaram alergias no cão. O tratamento consiste no uso de antialérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e antibióticos, no caso de haver feridas infectadas.


  • Alimentar: conhecida como dermatite genérico-alimentar, é causada pelo excesso ou falta de algum nutriente na alimentação, ou pela sensibilidade do cão a um de seus componentes. No primeiro caso, há coceira, perda de peso, queda acentuada dos pêlos, vômito e diarréia. Os tipos mais comuns dessa dermatite são os causados pela deficiência de zinco e pela falta de vitamina A. No outro caso, há coceira intensa pelo corpo todo, queda generalizada dos pêlos e feridas por toda a pele. No tratamento com batem-se os sintomas através de antialérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e antibióticos, se houver feridas infectadas.


Sarnas


  • Sarcóptica: conhecida como escabiose canina, é causada pelo ácaro Sarcoptes canis. O contágio acontece por contato com animal afetado ou com objeto utilizado por este. No início, há uma coceira muito intensa na cabeça, no abdômen e nas patas, que, de tão intensa, é capaz de levar à perda de peso. Pode evoluir para a queda progressiva de pêlos por todo o corpo, vermelhidão na pele, com aparecimento de crostas e infecções, e posterior ene-grecimento da pele. Deve-se tosar o cão para retirar uma das fontes de alimento do ácaro e inibir a proliferação de bactérias anaeróbicas. Utiliza-se também soluções parasiticidas à base de amitraz ou lindane e, nos casos mais graves, antibióticos e antialérgicos. O uso da ivermectina também é indicado, mas só deve ser feito por um veterinário, pois algumas raças, como Collies, Old English Sheepdogs e Pastores de Shetland, são muito sensíveis a esse medicamento, podendo até morrer se houver uma reação alérgica.


  • Demodécica: conhecida como sarna negra ou demodicose, é co usada pelo ácaro Demodex canis. Os primeiros sintomas são queda de pêlos na cabeça e nas extremidades do corpo. Quando está associada a uma infecção bacteriana, há coceira intensa. Acredita-se que o contágio acontece por contato direto durante os primeiros dias de vida. Os sintomas só costumam aparecer quando há baixa resistência (no primeiro ano de vida ou em cães idosos). Se não for tratada, a queda de pêlos se generaliza e a pele fica enegrecida e com elevações. Aparecem crostas, úlceras, ~us e há sangramento. É tratada com acaricidas à base de amitraz. Deve-se também usar anti bióticos, por causa da infecção bacteriana secundária.


  • Otodécica: chamada de otoacaríase, é causada pelo ácaro Octodectes cynotis. Ela causa intensa coceira nas orelhas, podendo se estender para a cabeça e o pescoço. Há ainda o aparecimento de cerume enegrecido nas orelhas. Se não tratada surgem lesões próximo à região. O contágio se dá por contato direto. No tratamento, aplicam-se gotas otológicas de acaricidas à base de amitraz diluídas em óleo mineral. A ivermectina também é indicada, o que só deve ser feito por um veterinário.


Dermatite seborréica secundária.


Normalmente acompanha dermatites que causam feridas infeccionadas. Provoca caspa, coceira e muita queda de pêlos. Raças como Beagle, Cocker Spaniel e Pastor Alemão têm tendência hereditária a desenvolver o problema. Deve-se descobrir a causa da dermatite e tratá-la, além de usar xampus medicamentosos para pêlos secos ou oleosos. Existe um tipo de seborréia, chamada de idiopática, que apresenta os mesmos sintomas, mas cuja causa ainda é desconhecida.


CAUSAS MENOS FREQÜENTES


  • Acne: espécie de espinha que causa coceira e queda de pêlo. Em geral., aparece sob o queixo. É tratada com cremes antialérgicos, antiinflamatórios e antifúngicos.


  • Piododermatite dos cães pastores: é causado por vários tipos de bactérias e o Pastor Alemão é a raça mais atingida. Há coceira e queda de pêlo, além de lesões com pus e sangramentos. Trata-se com antialérgicos e antibióticos.


  • Dermatite pelo uso de coleira antipulgas: surge quando o cão é alérgico àcoleira antipulgas. Provoca coceira e vermelhidão ao redor do pescoço. Deve-se retirar a coleira e usar antialérgicos.


  • Queiletielose: provocada pelo ácaro Cheyletiella blakei, causa coceira intensa no dorso e abdômen. Trata-se com acaricidas àbase de amitraz e carbamatos.


  • Rabujo: o excesso de secreção das glândulas lubrificadoras do ânus faz o animal coçar-se, causando infecção local e até auto-mutilação. O tratamento é feito com antibióticos e, nos casos mais graves, com a retirada cirúrgica da glândula.


O QUE AS FEZES ENSINAM


Observe as fezes do cão ou gato e identifique o grau de digestibilidade do alimento oferecido. Veja como avaliar:


FEZES IDEAIS


Têm as seguintes características:


Pequeno volume - sinal de boa absorção dos nutrientes.


Cor escura - passada às fezes por pigmentos e ácidos da bile. Sua atuação ocorre quando há completa digestão, a qual depende, entre tantos fatores, da boa digestibilidade dos nutrientes.


Sem cheiro - digestão sem sobra de produtos intermediários da digestão, como ácidos e gases, responsáveis pelo odor forte das fezes.


Consistência firme e facilidade para se desprender do solo - sinal de digestão e absorção completa dos nutrientes.


Uma evacuação por dia - resulta da digestão bem regulada, e uma de suas causas é a boa digestibilidade dos nutrientes.


SINAIS DA MÁ DIGESTIBILIDADE


Fezes moles ou líquidas - indicam a passagem anormalmente rápida do alimento pelos intestinos, o que impede a digestão e a absorção completa - nem mesmo a água é absorvida. Podem ser causadas por excesso de fibras ou de matéria mineral, ou ainda pela má digestibilidade das fibras digeríveis. Há outras causas possíveis, como viroses, parasitas, alimento estragado. O melhor é detectar o motivo com um exame clínico.


Grande volume de fezes - decorre da eliminação de nutrientes que deveriam ser absorvidos pelo organismo - proteínas, materiais minerais, fibras ou gorduras-, mas não o foram.


Fezes malcheirosas - devido à má digestibilidade há sobra de produtos intermediários da digestão, como ácidos e gases, responsáveis pelo odor forte.


Mais de uma evacuação diária - de maneira geral, quanto mais evacuações houver por dia, menor a digestibilidade do alimento. Para animal que marca território (urina junto com as fezes), duas evacuações diárias são consideradas normais.


balanceamento


Boa digestibilidade não significa bom balanceamento do alimento a combinação ideal dos nutrientes não altera a aparência nem o volume das fezes. Uma boa sugestão de quantidade de nutrientes para a manutenção do animal é:



Cães

Gatos

Proteína mínima

18%

30%

Gordura mínima (extrato etéreo)

5%

9%

Fibra máxima

5%

4,5%

Matéria mineral máximo

10%

8%

Umidade máxima

10%

10%

Cálcio máximo

1,1%

0,9%

Fósforo mínimo

0,9%

0,7%


A maneira mais garantida de proporcionar os nutrientes necessários é oferecer alimento industrializado de boa qualidade. A maior digestibilidade é obtida, em geral, com alimentos de tipo superpremium, devido à melhor qualidade das matérias-primas. Os alimentos muitos baratos, por outro lado, variam as matérias-primas de acordo com a sazonalidade dos ingredientes, resultando em alterações que podem prejudicar a boa digestabilidade.