Como passear com cachorro tendo mais segurança

Categoria: Comportamento

Autor(a): André Barreto | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas - SP | 04/08/2017 - 14:48

Obedecer em ambiente público e saber como se portar ao encontrar crianças são comportamentos que tornam muito mais seguros os passeios com o cachorro
Obedecer ao

Obedecer ao "senta" e ao "fica": aprendizado de grande utilidade em ambientes públicos | Wallpaper Scraft

Passear com o cachorro de modo seguro é uma iniciativa importante, mesmo porque, se acontecer acidente, além de o cão estar sujeito a consequências sérias, terceiros poderão ser prejudicados e a responsabilidade recairá sempre sobre o proprietário do animal. É o caso do cão que escapa e é atropelado ou machuca alguém ou que, deixado em local público, danifica alguma coisa. Não deve ser esquecido também o risco de assustar ou machucar uma criança desconhecida, mesmo que involuntariamente, traumatizando-a pelo resto da vida.

Situações como essas são facilmente evitadas quando você investe no adestramento de cães, pois o animal ele atende ao “senta”, ao “fica” e ao “junto”. Por isso, se o seu não estiver ainda dominando esses exercícios, será preciso treiná-lo antes de por em prática as orientações dadas a seguir. A boa notícia é que o aprendizado é rápido. Em média, bastam de quatro a oito semanas para chegar a um nível adequado de treinamento (você mesmo pode praticar com o cão seguindo as orientações em www.caes-e-cia.com.br/adestramento/barreto.htm). 

Mais obediência ao passear com cachorro na rua

É comum que o cão seja menos obediente na rua do que em casa. Afinal, o ambiente público oferece uma ampla gama de distrações não encontradas no dia a dia doméstico. Por isso, é importante mostrar ao animal que, mesmo com tudo o que acontece de interessante na rua, é preciso que ele dê atenção aos pedidos que você faz.

Treino de cães: saia com o cão e comece a praticar o “senta”, que é o exercício de obediência mais simples. Em trechos tranquilos do percurso, sem distrações significativas, diga “senta”. Se o cão atender (é essa a intenção), clique(*) e recompense-o com um pedaço de petisco para cachorro. Depois, continue o passeio com o cão. Repita o exercício cinco vezes no decorrer do trajeto.

Se o cão não atender ao “senta”, ele ficará sem petisco e você interromperá a caminhada por pelo menos um minuto, para mostrar que sem obediência não há guloseima nem passeio. E, na próxima tentativa, tentará pedir “senta” numa situação mais calma, com menos distrações, para aumentar a chance de dar certo e o cão ganhar a recompensa.

Aos poucos, passe a executar também o “fica”, que juntamente com o “senta” é excelente em muitas situações, como ao atravessar uma rua ou ao frequentar um shopping center ou restaurante. Treine também o “junto” ao passar próximo de pessoas, cães ou lugares que possam oferecer perigo ao cão.

Obediência sem guia de cachorro

Quem não sonha em poder soltar o cão, vê-lo correr livremente e depois fazê-lo voltar chamando-o pelo nome? Para chegar a esse ponto, é preciso ter certeza de que o chamado será atendido imediatamente.

Treino de cães: Comece dentro de casa. Chame o cão pelo nome e, sempre que ele vier, clique e recompense. Quando 100% dos chamados estiverem sendo atendidos, passe a treinar em local externo, com poucas distrações e familiar para o cão, como quintal, jardim ou garagem. Obtido sucesso também nessa etapa, o treino é feito fora de casa, de preferência numa área de parque com o mínimo possível de distrações. Comece com o cão preso a uma guia longa e, de vez em quando, chame-o. Sempre que ele vier, clique e recompense. Quando ele estiver atendendo a todos os chamados, passe a treinar em ambiente com mais distrações. Somente depois de ele atender a todos os chamados, independentemente do que esteja fazendo ou do tipo de distração que estiver acontecendo, como barulhos, veículos em movimento, presença de pessoas ou cães, passe a treinar com o cão solto, sem guia.

Atitude cuidadosa com crianças

A criança acostumada a conviver com cães, quando se encontra com um cão desconhecido, pode ter expectativa de receber o mesmo retorno amigável ao qual está habituada. Mas, nem sempre isso acontece. Crianças costumam falar alto e fazer movimentos bruscos, o que pode assustar o animal e resultar até em mordida. Por isso, as interações precisam ser monitoradas atentamente.

Você, melhor do que ninguém, sabe como o seu cão se comporta. Ao perceber a aproximação de criança, fale com ela e com os adultos que estão com ela, segurando firmemente a guia. Diga o que pode e o que não pode ser feito com o cão ou, se ele for um cachorro agressivo, avise para ela não se aproximar. Faça-o de forma calma, para não assustar o animal.

Treino com cães: Para reforçar a sociabilidade do cão com crianças ou, pelo menos, para ele não se sentir ameaçado por elas, associe a aproximação delas a algo que seja bom para ele. Por exemplo, quando uma criança estiver se aproximando e o cão permanecer tranquilo, clique e recompense-o com carinho ou com um pedaço de petisco. Aos poucos, aproxime-se da criança com o animal, desde que ele continue a se mostrar calmo. Se conseguir chegar perto dela, clique e recompense novamente. Caso o cão mostre disposição para interagir com a criança, peça a ela que entregue a ele um pedaço de petisco. Esse gesto ajudará a interação e criará boas recordações para o cão, relacionadas com contatos com a garotada. Importante: Nessas aproximações, nunca force o cão nem a criança. E, caso ele já tenha manifestado desconforto com esse tipo de situação, é recomendável que haja acompanhamento de um adestrador profissional, o qual poderá ler as expressões do cão e interromper o contato a tempo de não ocorrer acidente ao passear com o cachorro.