Dicas para cuidar do pet neste outono/ inverno

Categoria: Convivência

Autor(a): Benedito Fortes Arruda | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 14/05/2018 - 10:23

Proteja seu animal de estimação das doenças comuns durante o frio com dicas simples
iStock/ vitalytitov

iStock/ vitalytitov


Noites mais longas e frias. Temperaturas baixas e chuva na maioria das regiões do país. O frio já chegou este ano fazendo a gente tirar aquele casaco mais grosso e o edredom que estavam guardados no armário. O Brasil é enorme e, portanto, há particularidades em cada região. O frio está presente de forma mais rigorosa nos Estados do Sul e Sudeste. No entanto, apesar de não esfriar tanto em outras regiões, o tempo se modifica também. É a época de chuvas no Nordeste e de seca no Centro-Oeste. A alternância de temperatura, com madrugadas frias e dias mais quentes, também pode ser um problema. Ou seja, cães e gatos acabam sofrendo com a mudança no termômetro.

 

Segundo meteorologistas, neste ano o inverno deverá ser mais rigoroso, o que trará uma sensação de frio significativa. E o que os animais têm a ver com todas essas previsões? 
 

A Natureza se prepara para a mudança. Fugindo do frio, algumas aves migram para regiões de temperatura mais amena. E os animais de estimação, como vivem conosco, dependem de nós para se protegerem do frio. Mas não pense que eles não sentem as baixas temperaturas por terem pelos. Até mesmo os mais peludos precisam de cuidados especiais no inverno. Para isso, é fundamental uma pequena adaptação na rotina de passeios, por exemplo. Frio, chuva e ventania não combinam com caminhadas longas e brincadeiras ao ar livre, principalmente nos horários mais gelados. A seguir, confira mais algumas dicas valiosas para garantir a saúde do pet.

 



iStock/ HannamariaH
 

Uso de roupinhas
Há quem acredite que o uso de roupinhas em pets seja um mimo exagerado, mas colocar roupas adequadas nos animais pode ser uma solução para os menos peludos e, mais ainda, para os sem pelos. Para nós, seres humanos, cachecóis, luvas e casacos ajudam a manter a temperatura corporal. E para os amigos de quatro patas também! Mas é importante escolher um tecido confortável.


iStock/ damedeeso

 

Adaptações

Coloque pano, cobertorzinho ou manta no piso sobre o qual o animal dorme, para mantê-lo aquecido durante a noite. Os que vivem em área externa necessitam de um local adequado para se abrigarem do frio e da chuva.



iStock/ santypan

 

Visitas ao médico-veterinário

Precisam estar em dia! É ele quem vai verificar o estado de saúde geral do animal para se certificar que não existe nenhum problema de saúde que o torne mais vulnerável ao frio. Enfermidades como diabetes, desequilíbrios hormonais, doenças cardíacas e renais podem comprometer a capacidade do animal de estimação para regular seu próprio calor corporal. Nesses casos, é o médico-veterinário que indicará a melhor forma de manter o pet aquecido.

Independentemente da época do ano, é imprescindível manter em dia a vacinação, vermifugação e controle de ectoparasitas.

 

Doenças comuns

No inverno há um aumento dos casos de doenças respiratórias. Nos cães, a principal é a traqueobronquite infecciosa canina, conhecida como “tosse dos canis”. Por desencadear sessões intermináveis de tosse e espirros, a complicação é das mais contagiosas já que a propagação é feita pelo ar.

Nos gatos, aumentam os casos de rinotraqueíte, que afeta as vias respiratórias. Os sintomas são tosse e espirros. 


iStock/ adogslifephoto

 

Rotina de banhos e tosas

No inverno, é conveniente observar se há mesmo necessidade de banhos frequentes. É importante secar bem o pelo depois do banho e sempre usar água quente. Um profissional de estética animal poderá informar as opções de tosa e é a pessoa mais indicada para banhar e secar bem os pets no frio. Em caso de pouca sujeira, o ideal é optar pelo banho seco com lenços umedecidos, por exemplo. Nessa época, o ideal é aproveitar a proteção natural do animal e evitar tosas muito baixas. O veterinário vai indicar se é preciso mudar a rotina de tosa, de acordo com as características de raça e idade de cada animal. 

 

E os mais velhinhos?

A idade do animal também faz com que os cuidados sejam diferenciados. Nos mais novos, o sistema imunológico ainda está em desenvolvimento. Já os mais velhos estão com a defesa do corpo mais comprometida e podem ser mais afetados pelas doenças, além de artrites, artroses e hérnias de disco se agravarem no inverno.
 

Tomando as providências adequadas, passaremos mais uma estação ao lado daqueles que, com seus pelos e presença, também ajudam a nos proteger do frio durante o inverno!



Assine já a sua Cães & Cia e tenha em mãos o melhor conteúdo para cuidar muito bem do seu animalzinho. Clique aqui!