10 dúvidas comuns de quem tem cão

Foto: IstockPhoto

Adestradora responde cada uma delas

O universo do comportamento canino é vasto e as dúvidas de tutores sobre algumas das ações de seus pets são diversas. Neste artigo, listei dúvidas bastante comuns que recebo em minha rotina de trabalho e expliquei cada uma delas para os leitores da revista Cães & Cia

1) Por que cães perseguem o próprio rabo?

Mesmo essa cena causando risos entre os tutores, ficar perseguindo o rabo pode ter várias causas e até indicar problemas sérios. Por isso vale a pena ficar atento e, se necessário, pedir ajuda a um profissional veterinário. Listei algumas das razões que explicam esse comportamento:

1 – Quando são filhotes: devido ao alto nível de energia e disposição, pode ser divertido perseguir o rabo.

2 – Sinal de ansiedade: às vezes, depois de passar por uma situação de estresse, morder o rabo ou persegui-lo pode trazer certo alívio, o que faz com que, em todas as situações em que ele se sentir ansioso, passe a ter esse comportamento como uma forma de se sentir bem. Nesse caso, o ideal é procurar um profissional focado em comportamento para ajudá-lo a entender o problema e encontrar a melhor solução.

3 – Machucados: se seu amigão está insistindo em pegar o próprio rabo, dê uma verificada se tem algum machucado ou algo que esteja o incomodando, como uma feridinha.

4 – Coceiras: pulgas e carrapatos causam muita coceira, e o ato de morder o rabo pode ser uma tentativa de aliviar esse incômodo.

5 – Chamar atenção: se toda vez que seu cachorro correr atrás do rabo você interagir com ele, seja para rir ou até dar uma bronca, pode ser que ele passe a ter esse comportamento simplesmente para chamar sua atenção. Isso é muito comum em bichinhos mais carentes e que passam muito tempo sozinhos.

6 – Genética: alguns cães das raças Golden Retriever e Beagle trazem essas características e instintos específicos, podendo gostar de correr atrás do próprio rabo. Mas fique atento: se esse for um comportamento constante e sem causa específica, é melhor procurar um médico-veterinário para avaliar.

7 – Doenças neurológicas: algumas doenças que atingem o sistema nervoso podem desencadear esse comportamento e, nesse caso, o ideal é buscar ajuda de um médico-veterinário.

8 – Tédio: se seu cachorro passa muito tempo sozinho, não passeia nem tem estímulo mental, pode ser que esse comportamento se apresente como forma de aliviar o excesso de energia acumulada. Manter uma rotina saudável, com passeios e atividades para seu pet, pode ajudar – e muito – a resolver esse problema.

2) Por que cães guardam comida para depois?

Esse é um comportamento instintivo dos cães, que, na natureza, caçam o alimento, comem e enterram o que resta como forma de armazenar as sobras. Seu cachorrinho, como não tem noção de futuro e não entende que você continuará a alimentá-lo, acaba criando esse “depósito de comida” como garantia de barriga cheia.

3) Por que cães comem fezes?

Não existe uma única causa para a coprofagia, que pode ter origem tanto em fatores fisiológicos como comportamentais.

Fisiologicamente, pode ser motivada por uma dieta inadequada, vermes e problemas de má absorção, entre outros. Já do ponto de vista comportamental, temos também uma série de motivadores para a coprofagia, como: chamar atenção dos tutores, ociosidade, ter levado bronca no período de aprendizado sanitário, brincadeira etc. 

Para encontrar o melhor tratamento, é importante descobrir a causa do comportamento e, assim, desenvolver uma estratégia que seja efetiva para o perfil de seu bichinho

4) Por que cães simplesmente não gostam de uma determinada pessoa?

Talvez por falta de socialização. Tente associar a presença da pessoa que ele não goste – se for um parente, como uma tia – sempre com algo gostoso como um petisco. Quando a pessoa chegar, você pode oferecer um petisco para ele ou pedir para que ela mesma ofereça. Pode ser de longe, inicialmente, jogando para ele e, conforme o pet for demonstrando estar mais confortável na presença dela, a pessoa pode até oferecer diretamente na boca dele. Assim, essa “cisma” passa, e ele vai associar que sempre que ela chega coisas gostosas aparecem para ele.

5) Mesmo contratando um adestrador para treinar meu cão, ele continua puxando na hora do passeio

Inicialmente, é preciso entender a motivação para esse comportamento, qual sentimento está por trás dele e sua causa. Depois disso, montar uma estratégia de treino específica para esse pet, respeitando os limites dele. Algo que ensino aos tutores é deixar a guia sempre à mostra, como se fizesse parte da decoração da casa. Assim, ela não se torna um item que só aparece no momento do passeio, gerando aquela ansiedade inicial. Outra sugestão é, de vez em quando, colocar a guia no pet sem sair para a rua. Deixe-o por uns 5 minutos com ela e retire-a. Quando forem sair para a rua, não fique ‘pilhando’ ele. Assim, aos poucos, ele vai aprendendo a se controlar na saída de casa, e a probabilidade de um passeio menos agitado é maior.

6) Adotei um cão mais velho, com 5 anos já, e está bem difícil ensinar as regras da casa, principalmente o local correto de fazer xixi e cocô. Como proceder?

Cães com mais idade também aprendem, só é preciso paciência e treinos. Antes de mais nada, entenda que seu cão precisa se adaptar ao novo local onde viverá, e cada um tem um tempo para isso. Tente descobrir as preferências dele quanto ao local, se é tapete higiênico, jornal, grama etc. Deixe mais de um banheiro disponível para ele na casa. Isso aumenta as chances de acerto. Todas as vezes que você o vir fazendo xixi ou cocô no local correto, ofereça uma recompensa, como um petisco. Assim, ele vai se sentir motivado a sempre optar por aquele local. Quando ele errar, ignore, não diga nada. Dessa forma, ele entende que é muito mais prazeroso para todos quando faz as necessidades no local correto. Se precisar de ajuda, procure um profissional especializado em comportamento.

7) Meu cão não pode ver outro cão na rua que ele avança. Por que ele é assim?

Talvez seu cachorro não tenha sido socializado com outros bichinhos ou tenha tido alguma experiência ruim relacionada a outro cachorro. Tente fazer os passeios em horários que vocês não encontrem outros cães para também não reforçar esse comportamento. Mantenha sempre uma distância segura dos outros cães e leve um petisco bem gostoso no passeio. Cada vez que seu cachorro vir outro e não tiver essa reação de avançar, você o recompensa com esse petisco. Mas cuidado: só ofereça a gostosura se ele não estiver reagindo ao outro cachorro, se estiver demonstrando calma e tranquilidade. O ideal é você procurar a ajuda de um profissional para entender o que causa o comportamento (se é medo, falta de socialização ou outra questão) e, depois, iniciar uma estratégia de treinos efetiva para seu cachorro.

8) Meu cão é muito medroso. Como faço para ele ser mais confiante?

Cada cachorro tem um temperamento diferente. Isso vale, inclusive, para indivíduos da mesma raça. Quando temos mais de um cachorro – e mesmo criando todos da mesma forma, com carinho, amor e respeito –, cada um vai se comportar de uma maneira. Então precisamos entender o que causa esse medo em seu cão, se está relacionado a algum trauma, à falta de socialização na infância ou a outro motivo. Até mesmo a genética pode influenciar. A partir daí, deve-se iniciar um treinamento para deixá-lo mais seguro e confiante.

9) Por que os cães nos lambem?

São diversas as motivações que levam os cães a lamber seus tutores. Esse comportamento tem origem quando o cachorro ainda é filhote, como forma de reconhecer quem é da sua matilha. A mãezinha lambe os filhotes quando nascem para colocar seu cheiro neles e, com isso, os cachorrinhos reconhecem seus irmãos de ninhada através do cheiro – assim como os filhotes podem lamber o rosto das suas mãezinhas para pedir comida. Quando seu cãozinho lambe você, pode ser uma forma de mostrar que está feliz com sua presença, revelando seu carinho. 

Para aqueles cães mais carentes, lambidas podem também ser uma forma de chamar atenção e, se isso te incomoda, o ideal é ignorar as lambidas e dar atenção nos momentos em que seu cachorro não está te lambendo ou está entretido com um brinquedo. Assim ele entende que existem outras formas do cachorro interagir com você. 

Atenção para as lambeduras em excesso, que podem ser sinal de que há algo errado. Por exemplo, lambidas excessivas em um local podem indicar problema de saúde, e o ideal é procurar um médico-veterinário de sua confiança para fazer o diagnóstico.

10) Por que meu cão busca a bolinha, mas não devolve ela por nada?

Ensine o “solta” para seu cachorro de uma maneira bem simples. Tenha em mãos petisco e a bolinha dele. Jogue a bolinha e peça para ele buscar. Quando voltar com ela na boca, coloque um pedaço de petisco junto ao nariz dele e diga: “solta”. 

Provavelmente ele vai querer comer o petisco e precisará soltar a bolinha. Quando fizer isso, recompense com a gostosura e repita o processo. Logo ele estará craque no comando “solta”, e vocês poderão desfrutar de bons momentos de brincadeiras juntos.


Colaboradora:

JOILVA DUARTE
Franqueada Cão Cidadão, de Osasco-SP

{PAYWALL_FIM}


Clique aqui e adquira já a edição 491 da Cães & Cia!