Cimarrón Uruguayo: guardião amigável

03/08/2015 - 13:51

Sociabilidade e afetuosidade, inclusive com desconhecidos, mas sem deixar de proteger os donos. Essa é a marca registrada desta raça canina oficializada recentemente. Conheça-a melhor

Cimarrón Uruguayo: Pancho de La Fogueira, de criação de Claudio Gluck, do canil La Fogueira (foto: proprietária Jessica

Cimarrón Uruguayo: Pancho de La Fogueira, de criação de Claudio Gluck, do canil La Fogueira (foto: proprietária Jessica

O nome Cimarrón dá uma boa pista da origem deste cão. Significa “feral”, em espanhol. Ou seja, animal que foi viver na Natureza depois de ter sido doméstico. O próprio padrão oficial da raça menciona que o Cimarrón Uruguayo descende de cães abandonados que foram introduzidos pelos conquistadores espanhóis e portugueses. A raça resultaria, portanto, da domesticação de exemplares “ferais”, nos quais os genes dos sobreviventes costumam ser os dos mais aptos.
A principal presença dos ancestrais do atual Cimarrón acontecia na região dos Pampas, em cujas imensas planícies se pratica principalmente a atividade pastoril. Parte daqueles cães foi domesticada por fazendeiros e aproveitada com sucesso na lida com o gado e para fazer a guarda.


Saiba mais adquirindo a edição 434 da revista Cães & Cia.



 

https://www.editoratopco.com.br/loja/caes-e-cia/