Como lidar com as doenças cardíacas em cães

05/12/2016 - 11:02

Preste atenção nos sinais de problema do coração nos seus cães. Eles também são beneficiados pelo diagnóstico precoce

iStock/©vijaifoon

iStock/©vijaifoon

Depois das doenças de pele, os males cardíacos são os mais diagnosticados em cães na clínica veterinária. Sim, eles ficam doentes do coração assim como os humanos! Tanto que a “tosse de cachorro”, expressão usada para a tosse seca quando apresentada constantemente por pessoas, costuma estar associada a doença cardíaca.

Desde o nascimento

Os problemas de coração presentes desde o nascimento são classificados como doenças congênitas. A mais comum nos cães é a persistência do ducto arterioso, que consiste em falha no fechamento dos canais que ligam a artéria pulmonar à aorta, o que deveria acontecer logo depois do parto.

Normalmente, o tutor percebe que o cão tem problema cardíaco congênito quando ainda é jovem, o que permite o diagnóstico e tratamento desde então.

Doenças adquiridas

As doenças que aparecem no decorrer da vida são chamadas de adquiridas. Diagnosticá-las o mais cedo possível é importante para simplificar o tratamento e obter o melhor resultado na qualidade de vida e longevidade do animal. Esse princípio vale também para os problemas de coração.

Nos cães de pequeno porte, com até 15 quilos, o mal cardíaco adquirido mais comum é a doença crônica da valva mitral (DCVM), mas há também a doença da valva tricúspide. Já nos cães de maior porte, com 30 a 50 quilos, são mais diagnosticadas as cardiomiopatias, principalmente a dilatada, segundo a literatura. 


Saiba mais adquirindo a edição 450 da revista Cães & Cia.

https://www.editoratopco.com.br/loja/caes-e-cia/categoria