A vida ao lado de um Shar Pei

17/07/2018 - 11:52

Saiba como é ter um enrugadinho desses vivendo ao seu lado 24 horas por dia

Foto: Marcelo Palmeira

Foto: Marcelo Palmeira

Eles vivem na China há centenas de anos e chegaram ao Ocidente apenas na década de 1970. Por muitos anos, o Shar Pei foi usado por fazendeiros chineses para diferentes funções, como guarda, proteção, caça, pastoreio e até para brigas entre cães. Hoje é utilizado principalmente para a guarda e proteção da família, além de, claro, ser ótimo cão de companhia. “Afetuosidade, lealdade e companheirismo são suas principais qualidades”, acrescenta Renata Tedeschi de Oliveira, do canil Alvorada Shar-Pei, de Santana de Parnaíba, SP, criadora da raça há 12 anos. “São capazes de dar a vida pelos donos e gostam de estar sempre com eles. Têm alto grau de companheirismo e não suportam muitas horas de solidão”, ilustra Vera Helena C. Tanze Arenzon, do canil Tianzi, da Granja Vianna, SP, que cria Shar Pei há 16 anos. Porém, Vera ainda destaca que desde a década de 1990 no Brasil, a raça tem sofrido com a proliferação de criações sem critério ou conhecimento, que causaram problemas de saúde e comportamento na raça. (Veja mais nos tópicos Saúde da raça e Cuidados com a pele). Talvez por esse motivo o Shar Pei esteja vivenciando uma queda em sua procura. “Criou-se um mito de que a raça vive pouco e que é agressiva e doente, cheia de problemas de pele. Mas isso só acontece em planteis inidôneos, que não fazem seleção genética em seus exemplares”, explica a criadora. Assim, apesar de conhecida aqui no Brasil, a raça tem registrado menos filhotes nos últimos anos pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC). Em 2017 foram 528 cães enquanto que em 2010 foram 1.115, colocando o Shar Pei em 41ª e 17ª posição, respectivamente, no ranking de registros destes anos. Mesmo assim, ela ainda é popular com muitos admiradores por aí, que se encantam com esse cão enrugadinho, com focinho de hipopótamo, olhar marcante e língua preta-azulada. A seguir, as criadoras entrevistadas contam um pouco sobre como é a convivência com esse valente e silencioso cão chinês e de quais cuidados ele necessita para ser feliz e saudável.

Leia a reportagem na íntegra adquirindo a edição 469. Clique aqui!


https://www.caes-e-cia.com.br/loja/