Jack Russell: por que ele é tão apaixonante?

04/09/2018 - 12:02

Veja como criadores e tutores foram seduzidos por esses divertidos terriers e se encante por eles

Foto: Victor Antonio Reis  / Elizabeth Maria Maria JRT da Coroa Celta / Canil Coroa Celta

Foto: Victor Antonio Reis / Elizabeth Maria Maria JRT da Coroa Celta / Canil Coroa Celta

A raça Jack Russell Terrier encantou o mundo com suas habilidades como estrela de cinema. Disseminada na mídia, principalmente, por meio de filmes como O Máskara, esse pequeno e ativo terrier caiu no gosto também dos brasileiros, já que a raça é cada vez mais popular por aqui. Em 2017, a Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) registrou 1.507 Jacks, deixando a raça no 20º lugar no ranking de registros. Para se ter ideia, em 2007, a raça ocupava a 55ª posição nesse mesmo ranking, com apenas 234 cães registrados. Mas o que faz esse cão ser tão especial e apaixonante? Para Victor Antonio Reis, de Campo Grande, que se dedica à raça pelo canil Coroa Celta desde 2014, é sua rusticidade e adaptabilidade. “É um cão pequeno que pode (e adora) acompanhar os donos a todos os lugares, incluindo shoppings, parques, viagens etc. Raramente adoece e é ativo até o final da vida”, descreve Victor, que ocupa o primeiro lugar no ranking CBKC de 2017 e 2016 como melhor criador da raça. Além de cinófilo, Victor também é administrador de um hospital e, portanto, possui ritmo de vida bem agitado e cheio de compromissos. Mesmo assim, faz de tudo para estar sempre perto de seus Jacks, até mesmo em exposições de cães. “Já fui de carro até o Uruguai para acompanhar meus cães em exposições”, conta o criador que já adiou viagens importantes, jantares e festas para acompanhar nascimentos e cuidar de ninhadas e coleciona vários itens de decoração e livros da raça. Ele até já importou uma estatueta de Jack Russell da Inglaterra. “Tudo em minha vida gira em torno dos cães. Troco facilmente uma festa por uma noite fazendo um parto ou uma viagem à praia por um final de semana de exposição”, revela. 

 

Leia a reportagem na íntegra adquirindo a edição 470. Clique aqui!

https://www.caes-e-cia.com.br/loja/