Companhia mais do que especial

05/11/2018 - 18:02

Ceguinhos, surdos e com deficiências físicas, esses pets tornam as vidas de seus tutores ainda melhores, mas exigem cuidados diferenciados. Saiba como promover o bem-estar e a saúde deles

Arquivo pessoal Patrícia Alcoléa

Arquivo pessoal Patrícia Alcoléa

Aleijadinha atravessava uma estrada com enorme dificuldade quando foi encontrada pela radialista Patrícia Alcoléa. A cadela parecia ter sido atropelada, pois havia perdido os movimentos das patas traseiras. Foi então encaminhada a uma clínica veterinária, para os profissionais avaliarem seu estado de saúde. O veredicto não poderia ser mais duro: os veterinários recomendaram a eutanásia, para poupá-la do sofrimento. Patrícia, já apaixonada pela peludinha, não aceitou a sentença e decidiu mudar essa história. 

Ela ajudou a cachorra a se recuperar das feridas e, depois, deu início ao tratamento com acupuntura, que, segundo Patrícia, foi fundamental para aliviar a dor da pet. “O que me motivou a cuidar dela foi o brilho nos olhos, a vontade de viver que ela demonstrava. E também a esperança de que alguém a adotasse e ela tivesse uma vida melhor”, lembra.  

Leia a reportagem na íntegra adquirindo a edição 472. Clique aqui!

https://www.caes-e-cia.com.br/loja/