Pais de primeira viagem: Como escolher a alimentação do cão?

04/06/2019 - 15:57

Olhar apenas o rótulo da ração ou receitas caseiras na web pode ser muito perigoso para os pets, alertam veterinários

iStock.com

iStock.com

Quem é tutor de primeira viagem costuma ter muitas dúvidas sobre a melhor forma de alimentar o cão, seja um filhote, adulto ou idoso. E não é para menos, pois a nutrição adequada é fundamental para garantir a saúde e o bem-estar dos animais.

Dois pontos devem ser levados em consideração na hora de decidir qual será o alimento ideal para seu cão: a idade dele e a rotina da nova família. "O primeiro fator é a faixa etária do animal. Independentemente do alimento, é preciso atender às necessidades nutricionais de cada fase de vida do filhote, adulto ou idoso", afirma Raquel Labres, médica-veterinária mestre em Nutrição pela Unesp, nutróloga e sócia-fundadora da Alimentar Vet, de Porto Alegre. Para isso, a dica dela é contar com a orientação do veterinário desde o começo. "Como o animal está sendo introduzido na nova casa, precisará passar pela avaliação de um veterinário. Logo, o tutor pode contar com o auxílio do profissional caso tenha dúvidas sobre qual alimento escolher", pontua. E a rotina da família também deve ser avaliada nessa escolha, pois a disponibilidade dos tutores precisa atender às exigências da dieta eleita. "O cão precisará seguir a rotina da casa e de quem irá alimentá-lo. Se for dar um alimento natural, por exemplo, o tutor precisa ter tempo para se programar, preparar o alimento e ter espaço para armazená-lo no congelador", explica Raquel. "Se isso não cabe na sua rotina ou orçamento, a alimentação natural acaba não sendo uma opção viável para o seu cão", esclarece Sonali Rebelo, médica-veterinária nutróloga do Tendências Naturebas Pets, do Rio de Janeiro.

De forma geral, a orientação é priorizar uma nutrição de qualidade e balanceada, a fim de minimizar e evitar problemas de saúde futuros. “Para todas as fases de vida eu recomendo que se crie uma rotina alimentar, com horários para a alimentação e quantidades definidas de alimento, seja ele natural ou industrializado. Assim, não indico criar o hábito de deixar o alimento sempre à disposição”, orienta Sonali.

 

Ração seca

A maioria dos cachorros no Brasil (65%) é alimentada com as rações secas, segundo dados de uma pesquisa da consultoria CVA Solutions, publicada em 2018. Isso pode ser explicado pela facilidade que esse tipo de alimento fornece. As rações são completas e balanceadas por si só e podem ser oferecidas aos cães em todas as fases da vida. Segundo a médica-veterinária Carla Maion, especialista em Nutrição, de São Paulo, o alimento seco oferece segurança, uma vez que pode ficar exposto algumas horas do dia, enquanto o alimento úmido não deve passar de 30 a 40 minutos de exposição. "Ainda assim, recomendo que a quantidade a ser oferecida seja colocada no momento da refeição para evitar perdas na qualidade do alimento como oxidação e degradação de vitaminas e gorduras", afirma.

 

Confira esta matéria na íntegra adquirindo a edição 478. Clique aqui!

.