Pomsky: alegre e sociável

04/06/2019 - 16:04

Ele é muito mais do que um Husky miniatura e conta com uma criação que busca sempre o aprimoramento genético

Foto: arquivo do criador do cão (canil Pomsky Mont Ludovici Brasil)/Cão: Aaron Mont Ludovici

Foto: arquivo do criador do cão (canil Pomsky Mont Ludovici Brasil)/Cão: Aaron Mont Ludovici

A primeira ninhada de Pomsky nasceu em 2011, de um acasalamento entre uma fêmea de Husky Siberiano e um macho de Spitz Alemão Anão (Pomerânia), realizado pela norte-americana Tressa Peterson, do canil Apex. Antes de efetuar a cruza ela estudou durante um ano a genética dessas raças, que fazem parte do grupo 5 da Federação Cinológica Internacional (FCI), voltado a cães spitzs e de tipo primitivo. “O objetivo era que herdasse o melhor de ambas, o que foi obtido: o Pomsky exibe grande beleza e temperamento equilibrado, sociável, ativo e brincalhão”, comenta Dena Roy, do canil Roy Ranch Pomskies, dos Estados Unidos.

 

Disseminação

Atualmente há criadores de Pomsky na Alemanha, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, Estados Unidos, França, Holanda, Itália, México e Reino Unido. A entidade especializada na raça mais conhecida no mundo é a International Pomsky Association (IPA). “Ela tem um total de 114 canis associados e, embora cada vez mais o Pomsky ganhe projeção em todo o planeta, 101 deles estão localizados em meu país. Por aqui a maioria dos criadores segue os padrões da IPA e do Pomsky Owners of America”, informa Dena. Nos Estados Unidos existe outra associação especializada, o Pomsky Club of America, e há um esforço atual para torná-lo reconhecido pelo American Kennel Club (AKC). “A intenção é fazer com que o Pomsky esteja apto a ser exibido nas exposições sancionadas pela entidade”, relata Dena. “No entanto, o processo tende a demorar, pois o AKC não costuma aceitar rapidamente cães explicitamente resultantes da combinação de duas raças”, explica Dena. A fim de encurtar os trâmites, cogita-se uma mudança do nome. “Há três alternativas que estão sendo votadas pelos membros da IPA: Arctic Spitz, Taimyr Spitz e Nordic Pikatti”, ela conta.

Por enquanto não há projeto para o reconhecimento pela FCI. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Cinofilia Independente (Sobraci) e a Cinofilia Brasileira (Cinobras) aceitam o Pomsky, conforme afirma Grazielle Monteiro, do canil Pomsky Mont Ludovici Brasil, de Vargem Grande Paulista, SP, também dona da filial da Cinobras em Cotia, SP.

 

 

Confira esta matéria na íntegra adquirindo a edição 478. Clique aqui!

.