Curiosidades sobre o Golden que todo amante da raça precisa saber

02/10/2019 - 17:09

A docilidade, afetividade, esperteza, companheirismo e beleza desse cão o tornaram um dos mais desejados no mundo

Cão: Bonaparte | Canil: Bristol Goldens | Propr.: Cláudio Abreu | Foto: Johnny Duarte

Cão: Bonaparte | Canil: Bristol Goldens | Propr.: Cláudio Abreu | Foto: Johnny Duarte

Que ele é superafetuoso e amigo de todos não é segredo. O Golden Retriever caiu de vez no gosto dos brasileiros, principalmente por seu alto grau de sociabilidade com a família e até desconhecidos. Porém, a raça é muito mais que um amigo ideal para todas as horas. A seguir, apontamos algumas curiosidades que todo amante desse amigo dourado deve – ou pelo menos deveria – saber. 

 

PAIXÃO POR ÁGUA

Eis uma raça de grande afinidade com ambientes aquáticos. “O Golden Retriever possui patas adaptadas para nadar”, conta Cláudio Abreu, do canil Bristol Goldens, de Belo Horizonte. “Os dedos são espalmados e unidos por finas membranas que lhes confere habilidade natural para natação”, acrescenta Renée Rault, presidente do Retriever Club de France. “A grande força que ele tem nas pernas e a presença de subpelo facilitam a flutuação”, completa André Osmo, criador do canil Golden Sunset, de São Paulo. 

 

CÃO DE BUSCA GENTIL

Tudo no Golden foi meticulosamente trabalhado para se obter um excelente cão de busca, que recupera (em inglês, retrieve) aves derrubadas a tiros em pleno voo, inclusive erguendo-as da água, e as deposita nas mãos ou pés do caçador. “A sua própria estrutura robusta, as almofadas plantares espessas e a pelagem abundante garantem proteção efetiva ao passar por natureza inóspita, como pântanos, lagos de águas geladas, arbustos espinhosos e pedregulhos”, explica Renée. 

Mas a preocupação dos caçadores e criadores que desenvolveram o Golden era, acima de tudo, que os outros cães até então usados para a função estragavam a carne das presas por terem mordidas fortes. “Eles fizeram então uma seleção para estabelecer uma raça com delicadeza, controle e inteligência suficientes para procurar as aves apenas sob a ordem do dono e trazê-las sem danificá-las”, explica Cláudio Abreu. Tal característica pode ser notada inclusive em outras situações. “Algumas mães, quando estão amamentando, às vezes pegam seus filhotes pela boca e os levam um por um, sem machucá--los, para outros lugares que acham mais seguros”, conta o criador.

https://www.caes-e-cia.com.br/loja/edicao-482-outubro-2019-edicao-de-colecionador-2731.html