A onda dos dog influencers

20/03/2020 - 13:58

Conheça o percurso de sete cãezinhos que fazem o maior sucesso nas redes sociais

iStock.com/EnchantedFairy

iStock.com/EnchantedFairy

A onda dos chamados dog influencers, ou seja, os influenciadores digitais caninos, chegou para ficar. Milhares de fãs seguem esses pets superfofos com um só objetivo: se deliciar com poses e situações divertidas que seus tutores postam na internet. Diversas pesquisas já comprovaram que consumir fotos e vídeos fofos de animais faz com que nós, humanos, liberemos mais serotonina, que é o hormônio da felicidade. Ou seja, consumir conteúdos com animais de estimação faz bem para a saúde! Mas como será que esses cães-celebridade se tornaram famosos? Se você tem um cão com potencial para se tornar dog influencer essa matéria é para você. Ou se você tem curiosidade em saber como o cãozinho que você segue se tornou popular na web, essa matéria também é para você. Boa leitura!

BULLDOG BORGES


Foto: Simone Dario @photodogs.e.cia
Bulldog Borges: perfil foi criado para que os familiares de Gisele Santos acompanhassem o crescimento do filhote, mas atraiu outros pet lovers

Borges, da raça Bulldog Inglês, acaba de completar 1 ano de idade – em janeiro de 2020. E já é superfamoso na web. O Instagram dele (@borges_o_bulldog), criado antes da chegada dele no novo lar, hoje conta com mais de 34 mil seguidores. “Criei o Instagram para minha família e amigos acompanharem o crescimento e dia a dia dele. De repente foi ganhando mais e mais seguidores e resolvi investir mais tempo na rede social”, conta a jornalista Gisele Santos, de São Paulo, feliz tutora do pequeno e, agora, de outra Bulldog, a Mafalda, que chegou em novembro de 2019 e também já tem seu próprio Instagram (@mafalda_a_bulldog).

O motivo de tanto sucesso? Além da fofura natural do Bulldog, é seu carisma e desenvoltura para tirar fotos e fazer vídeos. “Ele fica eufórico quando o correio entrega os ‘recebidos’. Sempre posto nos stories a reação dele. Ele ganhou até um fan club que é hilário com memes do Borges”, acrescenta Gisele, cujo cão é embaixador de algumas marcas e possui parcerias como com a revista Cães & Cia. “Precisa sempre ter planejamento de postagens dos parceiros, conforme combinamos com eles. Eu produzo os vídeos, as artes, faço fotos. Nos stories também, com conteúdo (dicas, solidariedade, tag turma do Borges, cinemateca do Borges), além do dia a dia dele. É um trabalho árduo, pois também preciso dar atenção para todos respondendo comentários e mensagens particulares”, conta Gisele.

Borges é o primeiro Bulldog de Gisele e chegou em um momento em que ela se tratava de depressão e ansiedade, causados, principalmente, pela perda de sua mãe. “Borges foi o melhor acontecimento na minha vida em 2019. Há 30 anos eu sonhava em ter um Bull. Quando tinha 16 anos vi um no colo de um rapaz e me apaixonei. Antes do Borges chegar pesquisei muito, pois já sabia que a raça precisa de cuidados dobrados”, compartilha a tutora que é só mimos com seu pet. Borges vai à creche uma vez na semana para socializar com outros cães, e em casa, domina todos os cômodos. “Ele tem certeza que é gente e dono da residência. E os humanos são de estimação. Adora fazer passeios também. Ama carro! Não pode ver a porta aberta que já entra”, ilustra.

Para quem quer se tornar um dog influencer, Gisele aconselha: “Precisa ter paciência e persistência. Nada vai cair do céu. É trabalho diário de formiguinha. Muitas vezes viro a noite trabalhando no Instagram do Borges”, finaliza.

LHASA APSO BIA


Foto: Arquivo de Fernanda Peijo Miguel Alves
Lhasa Apso Bia: no início, o perfil foi criado por Fernanda para ser um álbum digital da pet

A advogada Fernanda Peijo Miguel Alves, de Agudos, SP, decidiu criar o perfil da Lhasa Apso Bia, de 5 anos, no Instagram (@bianilha), que já conta com mais de 20 mil seguidores, para “desafogar o rolo da máquina”, brinca a dog lover. Eram tantas fotos da pet que postá-las era uma forma de ter um álbum digital. “Quando me falavam que havia perfis de cachorro eu achava nada a ver, porém meu perfil pessoal só tinha fotos das minhas pets e as pessoas reclamavam um pouco”, conta a advogada, que se surpreendeu em como o perfil foi crescendo rapidamente e de forma natural. “Bia começou a receber muitas cartinhas de pessoas que se apaixonavam e mimos. E como ela é muita calma e quietinha, vi que levava jeito. Quando lojas nos chamam para eventos parece que ela faz poses, os fotógrafos falam que parece que ela nasceu para isso”, descreve.

Muitos não sabem, mas Bia era grudada com o avô (já falecido) de Fernanda. “Bia era o grudinho e a alma gêmea dele. Hoje ela é o grude do meu pai, mas me dá atenção e amor às vezes também”, brinca. Bia é a segunda Lhasa de Fernanda – a Helô já virou estrelinha. “Mas na época de Helô não sabia nada sobre a raça. Com a chegada da Bia que comecei a procurar e saber muito mais a respeito: tanto sobre a história da raça como cuidados, genética, perigos, doenças, etc.”, conta.

Bia gosta da pracinha, mas é muito preguiçosa também, até para brincar e passear é no tempo dela. Odeia piscina e água, mas ama jardins, desbravando muito o nosso. Tem inúmeras casinhas, ama a toca dela, mas também ama dormir na cama com os humanos”, lista Fernanda sobre as preferências da pet. Para quem tem interesse em se tornar um dog influencer ela aconselha: “Seja verdadeiro, ame realmente seu parceirinho de quatro patas e demonstre esse amor genuíno. E sempre que possível espalhe amor e luz.”

BELLA, A SAMOIEDA


Foto: Arquivo de Karen Fujiwara
Samoieda Bella, à esq., e seus irmãos, o Coton de Tuléar Dude (centro), e o Labrador Hero: trio é sucesso no perfil criado por Karen

A freelancer e treinadora de cães Karen Fujiwara, de Arujá, SP, nem imaginava o sucesso que Bella, de 8 anos, faria quando postou um vídeo da Samoieda pedindo desculpas para a Maria, sua funcionária, por ter feito uma arte. “Postei no Facebook e o vídeo viralizou. Isso foi em 2015. Só percebi do sucesso que havia feito, pois uma amiga me avisou que o perfil estava com mais de 50 mil seguidores por conta do vídeo”, relembra. O perfil da dog havia sido criado junto com os perfis dos demais pets que Karen tinha na época. Como ela tinha ido estudar fora, criou as páginas no Facebook para que pudesse receber fotos dos pets e matar a saudade. “Mas minha mãe nem chegou a abastecer os perfis com fotos. Recebi muitas propostas de campanhas publicitárias para fazer com a Bella e uma delas, de Natal, exigia que eu criasse um perfil no Instagram dela. Foi assim que começou a página @bella.samoieda na rede social”, conta Karen, que começou a postar as fotos de Bella e a estudar como funciona a questão do público e engajamento nas redes sociais. “Foi um crescimento muito rápido e fluiu naturalmente”, avalia Karen, cujo perfil, hoje, conta com mais de 130 mil seguidores.

Na página, Karen não dá tutoriais, mas gosta de mostrar como cuida dos seus cães. Mostra como escova os dentes, faz o banho seco, o check-up de saúde, alimentação, enriquecimento ambiental, etc. “Conforme a demanda das perguntas vou mostrando os produtos que uso, etc. Mostro também os treinos que faço com eles. Me formei treinadora de cães nos Estados Unidos por conta de Hero, um cão-guia que socializei em 2018, mas que, infelizmente, por ele ter se machucado durante os treinos, foi descartado do programa. Ele tem muito potencial para ser um cão de serviço então o estou moldando para dar apoio à minha avó”, conta Karen. Aliás, foi pela sua avó que a Samoieda Bella cruzou seu caminho. Em 2009, por conta de uma depressão da avó, buscou um cão da raça para atender seus pedidos. “Achei que a companhia de um cão faria bem, mas a escolha da raça partiu dela. Ela conheceu um Samoieda no grupo de idosos que frequentava e queria um cão da raça que fosse puro”, relembra Karen, que importou da Rússia a Samoieda Sammy, mãe de Bella.

Como Karen trabalha em casa, consegue passar mais tempo com seus cães. “Nossa rotina é bem comum. Todos acordam, comem, faço um aquecimento para estimular a mente deles, e alguma brincadeira, como brincar com coco congelado. No fim do dia uma caminhada, quando dá, e no fim de semana gosto de sair com eles, fazer uma social com cães e amigos”, descreve Karen. Como Bella é comilona, seus mimos se reduzem a beliscar uma fruta vez ou outra, como maçã ou banana. “Trato meus cães feito cães mesmo, sem humanizá-los”, acrescenta. 

Para quem gostaria de se tornar um dog influencer a dica de Karen é: “Seja autêntico e criativo. O perfil tem que ter sua própria personalidade, seu branding. Seja você mesmo que tudo flui. As pessoas vão se identificar com você. Não adianta forçar likes. Números de seguidores não te faz um influenciador, pois isso você pode adquirir através de inúmeras ferramentas. Mas o seu poder de influenciar as pessoas vem de você, do que você passa, e da veracidade do seu conteúdo.”

SPITZ ALEMÃO ANÃO PLOC


Foto: Arquivo de Priscilla Russo
Ploc (à dir.) e Porcelana: pets têm suas viagens, passeios e dia a dia registrados e postados pela tutora Priscilla

Quando, em 2012, a advogada Priscilla Russo e seu marido, que moram em Cuiabá, decidiram procurar por um cãozinho de estimação, eles não imaginavam o que estaria por vir. “Como ficamos praticamente o dia inteiro fora de casa e sempre viajamos, começamos a pesquisar na internet raças de cães de porte pequeno que fossem independentes e que ficassem bem sozinhos em casa. Daí descobrimos a raça Spitz, da qual nunca havíamos visto ou ouvido falar”, diz a atual tutora de Ploc, de 7 anos, e Porcelana, de 3 anos. Ploc, o “primogênito”, chegou em 2013 na casa de Priscilla. “Era o menor da ninhada de três. Pequeno e frágil, mas muito esperto, inteligente e fofo. Foi amor à primeira vista. Ploc sempre foi tratado como um bebê. Coloquei para adestrar, conversava muito com ele e amava colocar roupa nele e em posições engraçadas para tirar fotos”, conta. Como eram muitas fotos e nem todo mundo gosta de ficar recebendo esse tipo de conteúdo, Priscilla criou um álbum de fotos virtual para quem quisesse ver as fotos dele. “Foi a partir daí que criei o Instagram @plocauau que virou minha terapia”, explica Priscilla, que tem mais de 13 mil seguidores e também mantém a Fanpage Ploc Auau. “Todos os produtos que Ploc posta ele gosta de fato, usa e recomenda. Prezo muito pela imagem e credibilidade do Ploc. Já teve casos onde recusei a parceria, pois era um produto que eu ou o Ploc não gostava”, revela Priscilla, que também tem parceria com a revista Cães & Cia.

No dia a dia, Priscilla tenta passar a maior parte do dia ao lado de seus cães. “Se eles podem ir a algum lugar comigo, eles vão. Eles adoram e eu me divirto! Minha vida é adequada a eles. Deixo de ir a muitos lugares, inclusive viagens, se eles não podem ir comigo. Eu os tenho como filhos”, diz. Para quem pretende entrar nessa vida de dog influencer, Priscilla dá a dica: “Faça com amor e explore a sua criatividade. Adoro pensar e criar. Isto me dá prazer e Ploc é minha inspiração. Levar amor, doçura, encanto, ingenuidade às pessoas neste mundo tão competitivo e cruel, é gratificante. Recebo muitas mensagens de pessoas que dizem acompanhar o Ploc nas redes sociais apenas para alegrar o dia, pois curtem as fotos e os vídeos. E o meu objetivo sempre foi esse, arrancar um simples sorriso do internauta quando vê uma postagem do Ploc. Isto é gratificante!”, finaliza.

GOLDEN FREDERICO


Foto: Arquivo de Thiago Moreno Carnieli Miranda
Perfil do Golden Frederico surgiu a partir da paixão de seu dono, Thiago, pela fotografia

Para o casal Thiago Moreno Carnieli Miranda e Marcela, ambos de Campinas, SP, ter um Golden Retriever era um sonho antigo, tanto pelo temperamento dócil da raça, como por sua beleza, inteligência e fácil sociabilidade. “Queríamos ter um cão que justamente pudesse nos acompanhar em todos os lugares, que pudéssemos levá-lo junto, e hoje é isso que fazemos!”, conta Thiago, empresário e tutor do Golden Frederico, de 2 anos e meio, astro do Instagram @ golden_frederico, com mais de 120 mil seguidores. A ideia de postar as fotos do pet na web surgiu a partir da paixão de Thiago por fotografia. “O IG seria um local onde pudéssemos ter nosso álbum de fotos digital, registrar nossos bons momentos, acompanhar seu crescimento e compartilhar com a família e amigos. Além disso, manter à salvo todo esse acerto, livre de um possível furto, perda de um pen drive, etc.”, explica. Como as postagens eram volumosas, o perfil acabou virando uma espécie de “novela” do Golden Frederico para aqueles que seguiam o cão. “Fazemos tudo por amor ao Fred, é um prazer nosso. Porém com o crescimento natural da rede social, surgiu também interesse de marcas em divulgar seus produtos ou serviços dentro do nosso contexto diário com o cão. Sempre com ponto de vista crítico e com franqueza, visamos tudo aquilo que é bom e que funciona para o Fred”, assegura o tutor, que também mantém outras redes sociais do pet: TikTok: @Golden_Frederico; Facebook: @goldenretrieverfrederico e Youtube: Golden Frederico.

Como o casal trabalha em home office, passa o dia todo com Fred. “Passeamos pelo condomínio quatro vezes ao dia, brincamos, etc., e aos finais de semana, fazemos propositalmente atividades nas quais ele possa estar incluso”, destaca Thiago. Uma vez por semana Frederico vai para a creche. “Lá eles trabalham a socialização dos animais, convivência em matilha e outros comportamentos básicos para um cão viver melhor em sociedade”, completa.

Para quem quer se tornar um dog influencer, o conselho de Thiago é:Sejam vocês mesmos e proporcionem diariamente coisas boas ao seu pet. Crie conteúdo com relevância, periodicidade e use a sua originalidade, suas características, seu jeito. Isso é algo que ninguém pode lhe roubar e lhe destacará dos demais. Sustente isso com unhas e dentes e, independentemente da quantidade de seguidores que consiga, seja feliz com seu cãozinho. Ele agradece e vai adorar a experiência!”, finaliza.

JACK RUSSELL RAVI


Foto: Simone Dario / @photodogs.e.cia
Ravi entrou na vida de sua tutora, Karla Soares dos Reis, por um acaso e hoje é um especial membro de sua família

A tutora de Ravi, um Jack Russell Terrier de 2 anos e meio, Karla Soares dos Reis, nem pensava em ter um cão de estimação há poucos anos. Ravi cruzou seu caminho por um acaso. “Vi uma pessoa passando na rua com um cão e fui brincar, achando que era um filhote. Para minha surpresa o pet era adulto e tinha acabado de dar cria. Vi a foto do Ravi dormindo no pescoço da mãe e me apaixonei, não parava de pensar nele”, relembra a administradora de empresas, de São Paulo, que não conhecia a raça antes de Ravi. Como percebeu que seu novo pet era muito inteligente e ativo, além de interagir facilmente com as pessoas, começou a participar de eventos com ele. “A partir daí ele passou a receber convites para trabalhos. Ele faz fotos facilmente e aprende muitos comandos rapidamente”, diz Karla, que criou o perfil no Instagram (@ravireis) em 2017, apenas para armazenar as fotos do pet, porém, começou a receber curtidas, solicitações de amizade, convites para aniversários, eventos, casting para comerciais e fotos. Hoje ele conta com mais de 14 mil seguidores na rede e tem até um estagiário, o @Zeca Bacana, outro Jack Russell. “Ele está aprendendo comandos, fazendo ensaios fotográficos, divulgando marcas, tudo inspirado no perfil do Ravi”, conta Karla.

Como dog influencer, Ravi mostra um pouco sobre seu dia a dia, passeios, viagens, produtos pet e mostra a importância de se realizar treinos de disciplina e obediência. Ravi tem uma vida agitada. Já nadou em piscina, rio, cachoeira e mar, fez stand-up paddle, andou de caiaque, pedalinho, bote, fez trilha. “Ravi fica durante o dia com a vovó, faz as refeições, come frutas, e à tarde vai passear na praça. A noite o levo ao Parque Ibirapuera para correr e gastar energia. Tem vida social e frequenta bares e restaurantes com a família”, acrescenta Karla.

Os conselhos de Karla para se tornar um dog influencer é: “Ter um bom conteúdo com assuntos interessantes para os seguidores, fazer fotos de qualidade, ensinar os comandos básicos de adestramento para facilitar na hora das fotos. Criar um calendário de assuntos e temas para postar durante o ano.”

SHIBA-INU THOR


Foto: Arquivo de Márcia Pozo
Thor, de Márcia, conquistou seus seguidores com sua "carinha sorridente" e fofura que esbanja aos montes

A tutora do Shiba Thor, a farmacêutica e bioquímica Márcia Pozo, de São Paulo, sempre foi admiradora de raças japoneses. Seu sonho era ter um Akita, mas como morava em apartamento, era inviável. Certo dia, viu um cão que parecia ser um mini Akita no apartamento vizinho, e nem precisa dizer que foi paixão à primeira vista. “Fui pesquisar mais a respeito do Shiba e gostei muito das características da raça, principalmente personalidade independente e a lealdade”, acrescenta. Thor hoje tem 5 anos, mas sua página no Instagram (@thorshiba) foi criada antes mesmo dele chegar à casa de Márcia. “Ele chegou em casa já com o perfil criado, então fui alimentando com o seu dia a dia. Quando me encantei pela raça, a primeira coisa que fiz foi procurar Shibas no Instagram, para acompanhar e conhecer melhor a raça. E assim como a internet me ajudou nessa decisão, decidi criar o perfil dele para poder fazer o mesmo com outras pessoas. E principalmente, compartilhar amor com suas fotos”, explica.

O interesse das pessoas pelo perfil de Thor, que hoje tem mais de 20 mil seguidores e faz propaganda de várias marcas, ocorreu naturalmente. “As pessoas foram se encantando por essa ‘carinha sorridente’ e começaram a surgir propostas de trabalho”, conta Márcia, que também criou um Facebook para ele, o Thor Shiba.  

No dia a dia, Thor, que agora é irmão mais velho de Miguel, bebê humano que chegou na família, é bem tranquilo. “Ele dorme praticamente o dia todo, acorda só para fazer suas necessidades na rua e comer. Descemos de três a quatro vezes com ele. Ele é bem socializado, tem sempre tem um amiguinho para brincar com ele”, revela Márcia. Thor também é superprotetor com Miguel. “Está agindo como um verdadeiro irmão. Desde a gravidez já conversamos muito com ele e, quando o Miguel nasceu, meu marido trouxe uma roupinha usada dele para que Thor cheirasse e ele nos recebeu superfeliz quando chegamos com o Miguel em casa. Não mudamos absolutamente nada da rotina dele, imagino que esteja se sentindo amado como sempre foi”, diz Márcia, que dá o seguinte conselho para quem quer se tornar um dog influencer: “Não pode forçar a barra. Vejo muitos perfis entrando em contato com as empresas oferecendo seus serviços. Não acho isso legal. Na minha opinião, faça boas fotos, mostre o dia a dia com o seu cão, que as coisas vão acontecer naturalmente”.