Saluki: elegância e docilidade

06/03/2015 - 09:31

Milenar, com visual aerodinâmico e temperamento calmo e equilibrado, o Saluki é raro no mundo, mas tem muitas qualidades. Confira

Arquivo de Elen Michelette

Arquivo de Elen Michelette

“O Saluki é como uma obra de arte: admirado por muitos e tido por poucos”, compara o amante e criador da raça José Arnaldo Medeiros Neto, de Natal. Realmente, em 2013, apenas 11 exemplares desse cão foram registrados na Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC). 
Aliás, a raridade parece ser sina das raças de maior porte do grupo dos galgos da Federação Cinológica Internacional, ao qual o Saluki pertence. “Com características anatômicas e comportamentais peculiares e sem vocação para a guarda, apesar do grande porte, esses cães atraem apenas um grupo seleto de entusiastas”, justifica Medeiros Neto que, junto com seu sócio Miguel Gondim, cria Salukis desde 2000 pelo canil Dart’s Repouso de Brookie. 
E a raridade se repete mundo afora. Por exemplo, em 2013, dos mais de 223 mil cães registrados no Reino Unido, berço da cinofilia organizada, somente 95 eram Salukis. Até mesmo na Alemanha, onde a raça atinge a maior popularidade considerando-se as grandes potências cinófilas, apenas 153 exemplares foram registrados naquele ano. “A maior parte desses cães tem pelos longos, sedosos e macios, com franjas nas orelhas, nos cotovelos, nos posteriores das coxas e na cauda, mas existem também os de pelos curtos, um pouco mais grossos e sem franjas”, detalha Abner Queiroz, do canil Morashá, de Hortolândia, SP.


Saiba mais adquirindo a edição 429 da revista Cães & Cia.



http://www.caes-e-cia.com.br/nossas-revistas/