Cães de guarda que cuidam de rebanhos ajudam a preservar grandes predadores

Categoria: Convivência

Autor(a): | Colaborador(es): | Cidade: Campinas-SP | 23/03/2017 - 10:37

Além de companheiros fiéis, os cães de guarda são fundamentais para proteger os fazendeiros de predadores carnívoros

www.cheetah.org

www.cheetah.org

Pesquisas realizadas pela Universidade de Kent, da Inglaterra, revelaram que, na África do Sul, cães de guarda reduzem significativamente o conflito de fazendeiros com grandes predadores carnívoros, como Leopardos e Panteras, por mantê-los longe dos rebanhos. Com isso, ajudam a diminuir a matança, por fazendeiros, de espécies selvagens que, muitas vezes, correm risco de extinção.

A pesquisa foi publicada em artigo no Wildlife Society Bulletin e revelou que, nas fazendas pesquisadas, rebanhos protegidos por cães tiveram redução de 91% dos casos de ataques predadores e consequente diminuição na perda de animais. Com isso, aumentou a tolerância à presença de grandes carnívoros rondando as fazendas. “A matança em retaliação à perda de animais do rebanho é a maior ameaça à sobrevivência de grandes carnívoros na África do Sul”, comenta o professor Douglas Macmillan, do Durrell Institute of Conservation and Ecology (DICE). “Tenho certeza de que o investimento em treino de cães para guardar rebanhos poderá salvar a vida de muitos predadores selvagens ao redor do mundo.”
 

Centro de treinamento para cães de guarda
 

Um exemplo desse trabalho é o programa The Cheetas Conservation Fund’s Livestock Guardian Dog (CCF), implementado em 1994 na Naníbia com o intuito de preservar a vida das Panteras e Leopardos da região dos ataques de fazendeiros. As raças utilizada pelo projeto são o Anatolian Shepherd, cão de guarda muito antigo, provavelmente descendente de cães caçadores da antiga Mesopotâmia (atual Iraque) e o Kangal, outro cão de guarda, mas de origem turca. Desde sua fundação, o programa reduziu em 80% as perdas de rebanhos decorrentes da predação, revela Laurie Marker, fundadora da CCF. “Estamos muito satisfeitos com os resultados obtidos por nosso programa e já estamos discutindo a possibilidade de implementá-lo nos Estados Unidos e países da União Europeia”, comenta Laurie.  Saiba mais em: www.cheetah.org