Cachorro Afghan Hound: elegância extrema

Categoria: Afghan Hound

Autor(a): Fabio Bense e Marcos Pennacchi | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas - SP | 04/08/2017 - 15:10

Raro no mundo todo, o cachorro Afghan Hound oferece o privilégio de um convívio especial, diferenciado daquele que se costuma ter com a espécie canina. Confira

Arthur Franco - TH-Project.com / Cão: Netzach R.B.X. Crono

Arthur Franco - TH-Project.com / Cão: Netzach R.B.X. Crono

"A pelagem estonteante, a suavidade das linhas e a movimentação flutuante do Afghan passam a dignidade de um soberano”, descreve Toni Brum, do canil Brum Abdalla, do Rio de Janeiro. Outro criador, Alejandro Castro, do canil Netzach, de São Paulo, conheceu a raça há trinta anos, em uma feira da Cães & Cia. “O que me cativou de imediato foi a expressão quase humana de uma fêmea – quando o olhar dela cruzou com o meu, fiquei tão impressionado que comprei um exemplar no mesmo dia”.

Apesar das formas delicadas, o cachorro Afghan Hound é forte, resistente e considerado a Range Rover dos cães. “Dos campos de caça de sua terra de origem, o Afeganistão, ao sofá e às passarelas do Ocidente, a raça canina se adaptou muito bem a diversas situações”, diz Luiz Aoki, do canil Kharyta’s, de São Paulo. 

No passado, o cachorro Afghan Hound caçava cervos, gamas, gazelas e tigres, em matilhas de seis a dez cães. Utilizava para tanto a velocidade e a pelagem que, livre de cuidados, ficava toda embolada e formava um escudo útil para proteger a pele de patadas de felinos, por exemplo. Durante a atividade, o Afghan tinha de tomar decisões e isso moldou um temperamento voluntarioso e pouco submisso, característica que hoje causa dificuldade a donos inexperientes, o que contribui para a baixa popularidade desse cão, tanto no exterior quanto no Brasil. 

Em nosso país, a raça de cachorro é a 93ª no ranking de registros da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC). “Por ser grande, exótico e com pelagem que exige cuidados rotineiros, não é cão com perfil popular”, diz Abner Queiroz, do canil Morashá, de Hortolândia, SP. Mesmo nos Estados Unidos, país com a maior criação de Afghans do globo, a raça canina é a 95ª mais registrada entre 177, no American Kennel Club.

PERFIL COMPORTAMENTAL DO CACHORRO AFGHAN HOUND 

Grau de atividade

O nível de atividade do cachorro Afghan filhote é alto e, no adulto, torna-se moderado, passando o cão a se dedicar mais ao descanso e à contemplação. Os exemplares da raça são apaixonados por sofás, camas, estofados de carro e outras superfícies macias. “Mas gostam muito também de momentos de ‘explosão’, nos quais pulam e correm cheios de energia praticando brincadeiras que envolvem perseguições do tipo pega-pega”, conta Aoki. 

Comportamento do cachorro com a família

No que diz respeito ao comportamento do cachorro, o Afghan não fica na cola do dono solicitando carinho e atenção a toda hora. Porém o procura periodicamente para dar e receber afagos. Pede para ser acariciado, esfregando-se como fazem os gatos ou enfiando a cabeça entre as pernas do proprietário. Costuma escolher uma pessoa da casa como favorita, com a qual não esconde sentimentos de carinho, reprovação ou mesmo mágoa. “Tive um Afghan que, quando eu regressava após ficar muito tempo viajando, me ignorava por dois dias, demonstrando reprovação por eu ter ficado tanto tempo longe dele”, relata Aoki. 

Comportamento do cachorro com as crianças

“Alguns clientes me enviam fotos comprovando o bom relacionamento da raça Afghan com os filhos deles, inclusive com crianças de poucos meses de vida”, comenta Brum. Castro aconselha: “Para quem tem criança, é importante selecionar o exemplar mais festeiro da ninhada”. Cabe aos pais educar os filhos, principalmente os com menos de 6 anos, a não puxar o Afghan e também a não apertá-lo. “Do contrário, se a criança for vista como membro da matilha, o que é provável de acontecer já que o instinto de matilha é forte na raça, poderá ser repreendida, geralmente com gritos”, avisa Aoki.

Comportamento canino com pessoas de fora da casa

Existem Afghans bem extrovertidos, que recebem os visitantes com abraços, pulos e lambidas. “Mas esses casos são exceção”, salienta Castro. Normalmente, trata-se de exemplares que foram muito socializados, acostumados desde cedo a irem a shoppings e parques, por exemplo. “Como regra geral, o Afghan é territorialista e late se um estranho se aproximar e tentar tocá-lo”, ressalta Castro. Quando as visitas começam a se tornar mais assíduas e conhecidas, o Afghan, além de respeitá-las, poderá até brincar e receber amigos dos donos com entusiasmadas cabeçadas, esfregadas nas pernas, beijinhos e patadas de cumprimento. 

Comportamento do cachorro com cães e outros animais

Conforme ressalta Castro, o Afghan Hound é um cão de matilha. Assim, em geral, aceita bem outros cães. “Especialmente os galgos como ele, preferidos por conseguirem acompanhá-lo nas interações com corridas”, diz Aoki. No entanto, como o Afghan tem temperamento dominante, convém apresentá-los de maneira paciente. Com relação à convivência com gatos, roedores e outros bichos, a raça de cachorro poderá colocar o instinto caçador em ação. “Sei de muitos casos de convívio pacífico, mas também conheço relatos bastante dramáticos e até trágicos”, admite Queiroz.

Latido do cachorro

Moderadamente latidor, o Afghan que visualiza a rua costuma latir para passantes e animais. Late também para fazer pedidos ou chamar a atenção. Aoki relata que uma das Afghans dele sempre latia e dava gritos agudos quando julgava que o pai dele, doente de Alzheimer, estava fazendo algo que o colocava em risco.

Obediência do cachorro Afghan

“O Afghan não tem nada a ver com a subserviência relacionada a aprender truques”, define Aoki. Não à toa, esse cão ficou em último lugar (79ª posição) no ranking de adestrabilidade do livro A Inteligência dos Cães, que avaliou 132 raças. “Ele só se submete se o que vai ganhar em troca lhe interessar naquele momento”, explica Brum. “Se ele obedeceu com o objetivo de abocanhar um  petisco, por exemplo, pode não atender na próxima vez se não estiver a fim de comer, mesmo porque boa parte dos Afghans não liga muito para comida”, diz Aoki. Ele acrescenta que, para ser obedecido pelo Afghan, é preciso saber interpretar o que ele quer naquele momento.

Destrutividade cachorro Afghan

Cheio de energia, o filhote de Afghan pode ser muito destrutivo. Para melhor proteger os móveis da casa, uma dica é fazê-lo se distrair e brincar na companhia de outros cães em quintal espaçoso; não trancafiá-lo sozinho em ambiente com objetos de decoração e acostumar o exemplar caseiro a ficar numa área cercada, contendo objetos para serem roídos à vontade. “Somente por volta dos 2 anos, o Afghan se torna mais tranquilo e deixa de ser destrutivo”, diz Castro.

Inteligência do cachorro Afghan

O Afghan abre portas com facilidade, inclusive portão eletrônico depois de ver as pessoas pressionando o botão que o aciona. “Minha primeira Afghan abria até torneiras”, conta Queiroz. A raça é também mestra em roubar. “Beau já pegou crepes um a um, discretamente, para que eu não percebesse, enquanto que Fineza passou por mim com a boca voltada para a parede, escondendo várias bolinhas de M&M”, relata Aoki.

CUIDADOS COM O CACHORRO AFGHAN

Alimentação canina

“O peso médio de um macho típico vai de 30 a 38 quilos e de uma fêmea, de 18 a 23 quilos”, comenta Castro, que oferece de 300 a 600 gramas de ração para cachorro por dia para cada um dos Afghans dele (a variação é ampla, pois há exemplares com maior ou menor tendência a comer e a engordar).

Escovação e banho em cachorro Afghan

Os consultores aconselham banho semanal para que um Afghan adulto exiba pelagem asseada e praticamente sem nós. O PH da pele da raça é parecido com o das pessoas. Por isso, bons xampus e condicionadores para cabelo humano proporcionam resultados excelentes. A escovação deve ser feita com escova de pino metálico, sem bolinhas nas pontas. “É importante que seja realizada apenas após o banho, pois, em Afghans de pelagem suja, irá resultar em quebra do pelo”, alerta Castro. A queda de pelos não é intensa, exceto em fêmea entre sete e nove semanas após o cio.

Atividades físicas para cachorro Afghan

O Afghan que pratica exercício físico e tem estímulos mentais suficientes, pode, independentemente da idade, ser bastante tranquilo dentro de casa. No caso do exemplar que vive em propriedade com quintal ou jardim espaçoso, é recomendável deixá-lo naquela área por duas horas diárias e proporcionar estímulos como a companhia de outro cão. A área externa da casa deve ser cercada com muro de pelo menos 1,5 m de altura, pois o Afghan salta alto e em poucos minutos pode estar a quilômetros de distância (e nem sempre consegue voltar). Com relação ao Afghan que vive em residência sem uma boa área externa, é preciso pelo menos caminhar com ele por cerca de uma hora diariamente.

Otite canina

O Afghan tem orelhas pendentes, o que sujeita os ouvidos a abafamento, tornando-os mais propensos à proliferação de microrganismos causadores de otites. A limpeza semanal dos ouvidos com algodão seco ou embebido em produto próprio evita a ocorrência de otites.

Chão

Nas áreas onde o Afghan se exercita, o ideal é ter gramado ou piso pavimentado antiderrapante, como de pedra, de ardósia ou de concreto. Se o acabamento do piso for rústico, proporciona o benefício adicional de ajudar a gastar as unhas do cão. Piso liso, como de azulejo, só é bom para não danificar a pelagem, e convém ter onde o Afghan dorme ou descansa, nunca onde ele pratica exercícios, porque os muitos pelos entre os dedos o faria escorregar frequentemente, podendo comprometer as articulações, ainda mais na fase de crescimento.

SAÚDE CANINA

Em geral, o cachorro Afghan é saudável. Em pesquisa do The Kennel Club, a principal organização cinófila do Reino Unido, das 143 mortes de Afghans relatadas, a principal causa foram linfoma e câncer ósseo, com 44 mortes (30,8%). Já pela Orthopedic Foundation for Animals, de 769 exemplares da raça avaliados pela entidade, 2,5% foram acometidos por linfoma, 3,9% por tumor mamário e 1% por câncer ósseo. O tratamento frequentemente envolve quimioterapia, radioterapia e cirurgia. Os exemplares afetados devem ser afastados da reprodução. 

Os veterinários brasileiros consultados apontam a sarna negra, cuja manifestação tem predisposição hereditária, como bastante presente na raça. Brum, que também é veterinário, estima que atendeu cerca de 150 Afghans e calcula ter diagnosticado ao redor de 20 com o mal. Maria Mieko Duarte, de São Paulo, tratou cerca de 40 Afghans e 6 deles tinham o problema. Exemplares afetados não devem ser acasalados. A sarna negra é causada pelo ácaro Demodex canis e leva à perda de pelos e a manchas e escurecimento da pele, podendo causar infecção. O tratamento é feito com imunoestimulantes, sarnicidas e, em certos casos, antibióticos. A raça vive, em média, 12 anos.


METAMORFOSE

Por causa do crescimento acelerado, o Afghan Hound com poucos meses de idade é desengonçado, com pernas longas demais e pelos ainda curtos, o que compõe uma aparência que pouco lembra o adulto altivo, de pelagem exuberante e formas elegantes. “A mudança do físico ao longo do tempo é uma verdadeira metamorfose, algo intrigante da raça, uma característica ímpar”, salienta Queiroz. O amadurecimento físico se dá por volta dos 2 anos. A pelagem cresce continuamente e alcança o auge aos 5 anos. “A grande variedade de cores é um dos maiores fascínios desse cão: poucas outras raças caninas possuem uma gama tão vasta de cores e combinações quanto o Afghan”, ressalta o criador.