Cuidados com os pets durante o verão

Categoria: Convivência

Autor(a): a4&holofote comunicação | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 09/01/2018 - 09:56

Veja dicas de veterinária para cuidar melhor de cães e gatos em épocas quentes

iStock/ Chalabala

iStock/ Chalabala

Estamos no verão e nesta estação os cuidados com os pets devem ser redobrados. Assim como os humanos, cães e gatos também sentem mais desconforto no calor. Intensificar a hidratação, manter os ambientes frescos e tosar os pelos dos animais são algumas atitudespara manter seu bem-estar, evitando problemas, como insolação, queimaduras, entre outros.
 
As glândulas sudoríparas (que produzem suor), tanto nos cães quanto nos gatos, desempenham uma importante função na integridade da pele, mas não ajudam na termorregulação como para nós, humanos.  Os cães controlam a temperatura a partir da boca e sua transpiração ocorre por meio do focinho e das almofadinhas das patas. Já os gatos são mais resistentes ao calor porque, além das almofadinhas, também transpiram por outras glândulas espalhadas pelo corpo.
 
Os locais onde os animais comem, brincam e dormem devem estar sempre arejados e limpos para evitar mal-estar e doenças. Se eles têm o hábito de ficar no quintal, certifiquem-se de que haja locais cobertos e de sombra para se protegerem do sol. 
 
Atenção maior para os cães das raças braquicefálicas (de focinho curto, crânio compacto e sistema respiratório superior comprimido) como os Bulldog, Pug, Boxer, Shih Tzu e Lhasa Apso e, no caso dos gatos, os Persas. Elas sofrem mais com as altas temperaturas pelas suas características anatômicas que não permitem troca de ar eficiente com o ambiente.
 
Para a médica-veterinária da Vetnil, Fernanda Cioffetti Marques, algumas precauções simples podem evitar grandes problemas, como oferecer e manter água fresca para o consumo do animal, inclusive espalhando vasilhas pela casa. Nos dias mais quentes, é recomendado colocar algumas pedras de gelo no recipiente para ajudar a manter a temperatura da água agradável.
 


iStock/ vvictory

“Gatos normalmente bebem menos água e são mais propensos a problemas nos rins. Por isso, no verão é preciso incentivar o maior consumo de líquidos. Como alternativa, use fontes próprias para gatos, que adoram água corrente. Outra sugestão, é oferecer ração úmida”, explica Fernanda.


Para os cães, a veterinária recomenda que os passeios sejam realizados antes das 10h ou depois das 16h, quando o sol está menos intenso. “Esse cuidado vale também para evitar queimaduras nas patas, pois o asfalto quente pode lesionar os coxins dos cães, que são muito sensíveis”, afirma. É necessário também que os tutores fiquem atentos aos sinais que seu pet emite. “Se ele demonstrar muito cansaço e sua língua estiver constantemente à mostra, procure uma sombra e deixe-o descansar por alguns minutos. Leve uma garrafa de água para o passeio, para manter a hidratação do seu corpo”, complementa Fernanda. 
 
Convém atentar para os passeios de carro. Mantenha o ar-condicionado ligado ou os vidros abertos para circular o ar e jamais deixe o animal sozinho dentro do veículo. “É um perigo manter seu pet preso dentro do carro, mesmo que por alguns minutos. Além do mal-estar, ele pode ter hipertermia que pode provocar desmaios e até uma parada cardíaca”, sinaliza a veterinária.
 
Ela informa, ainda, que mesmo para cães acostumados a fazer exercícios a água pode não ser suficiente para a hidratação. “Nesse caso, pode-se fornecer um composto contendo sais eletrolíticos - potássio, cloro, sódio e magnésio - que irá reequilibrar o organismo do animal", diz. Consulte seu veterinário para indicações de produtos.
 
É importante também que durante todo o verão, a tosa esteja em dia. Os banhos nos cães também são importantes aliados para refrescar e diminuir a temperatura corporal. Use produtos próprios para a pele do pet (veja mais sobre a pele e a pelagem dos cães clicando aqui) e lembre-se de secá-la muito bem, para evitar dermatites. Outra recomendação é o uso de protetor solar específico para pets para protegê-los contra problemas de pele. “Este procedimento é indicado, principalmente, para cães e gatos de cor clara, que sofrem mais com a incidência dos raios solares. O filtro solar deve ser aplicado em regiões sem pelos, como focinho e orelhas", finaliza Fernanda.