Conheça o perfil do gato Bengal

Categoria: Gatos

Autor(a): Samia Malas | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 12/01/2018 - 14:27

Com rosetas semelhantes às de felinos selvagens, esse gato faz sucesso entre pet lovers

 www.rowanbengals.com

www.rowanbengals.com

Bengal: O leopardo de bolso

Prepare-se para saber mais sobre o gato doméstico pioneiro na apresentação de rosetas típicas de leopardos, jaguares e onças. Ele traz até você, juntamente com a elegância e a graciosidade da coloração rica em nuances e em desenhos bem contrastados dos felinos selvagens, a sedução de um temperamento dócil e com características surpreendentes. 

Origem

Pode-se dizer que o Bengal é fruto da admiração humana pela aparência dos felinos selvagens. Mas até algumas décadas atrás não existiam gatos domésticos com pele de onça. Havia, porém, quem sonhasse com essa possibilidade. E foi a norte-americana Jean Sugden Mill, da Califórnia, quem trabalhou intensamente para que o Bengal se tornasse realidade. 

Ela trazia na memória uma experiência vivida em 1963, indicando que a natureza poderia ajudá-la nessa tarefa. Naquela época, Jean mantinha como animal de estimação uma fêmea de Leopardo Asiático (Prionailurus bengalensis). Para surpresa dela, a felina deu à luz uma linda ninhada apesar de não haver nas redondezas macho da espécie. Ficou evidente que a gestação fora obra de um gato doméstico.


Mas Jean não aproveitou aquela casualidade para começar uma criação. Ela só viria a fazer isso a partir do início dos anos 1980, com a aquisição que fez de filhos de Leopardos Asiáticos com gatos domésticos produzidos pelo pesquisador dr. Willard Centerwall’s, na década de 1970. Jean percebeu que, para chegar a gatos dóceis e confiáveis, era necessário acasalar aqueles felinos com gatos domésticos por quatro gerações consecutivas. Na primeira geração, a pelagem era parecida com a do Leopardo Asiático, mas o temperamento não costumava ser suficientemente dócil. Por um lado, a confiabilidade quanto ao equilíbrio comportamental das ninhadas só vinha depois de cruzar as demais gerações com gatos domésticos, mas, por outro, ocorria uma diluição do contraste das marcações com a cor de fundo da pelagem. 
 

Em 1986, Jean conseguiu que a Tica reconhecesse o Bengal como um novo gato doméstico. A  raça continuou a ser aprimorada com o uso de Bengals no lugar de gatos domésticos, nos cruzamentos com o Leopardo Asiático. Hoje basta acasalar Bengal com Bengal para serem obtidas as cores bem contrastantes, além de todas as demais qualidades que fazem desse gato um felino especial.



www.abundadots.com

Popularidade

Trazer um “pedacinho” das selvas para casa é um dos fortes atrativos do Bengal. A expansão da raça é percebida por sua crescente presença em embalagens de ração, em propagandas, na mídia e na procura por filhotes. “Em 2004, quando comecei a criar Bengals, eu tinha um macho e duas fêmeas e atendia bem à demanda; atualmente, mantenho cinco machos e cinco fêmeas da raça para poder dar conta”, revela a criadora Solange Mikail, do Gatil Kashmircats, de Cotia, SP.


Miados

A maioria dos Bengals é tagarela, embora exista uma minoria mais seletiva no uso da voz. “O repertório de sons usados pelo Bengal para se comunicar é um pouco mais amplo que o dos gatos domésticos em geral”, acrescenta Solange (veja vídeo com vozes e expressões corporais típicas do Bengal em 20 Bengal Cat Signs, no YouTube).


Adestrabilidade
Bengals costumam ter personalidade forte: gostam de fazer o que bem entendem. Quando ensinados, porém, aprendem depressa a se comportar e a executar atividades do cotidiano. Muitos donos ensinam, com sucesso, seus Bengals a executar truques (veja vídeo com vários comandos que o Bengal pode aprender em 
Moogly, the Bengal, Amazing cat tricks, no YouTube).

 

Loucura por água

O prazer do contato com água é evidente na maioria dos Bengals. Tentam agarrar o jato das torneiras enquanto o dono escova os dentes, por exemplo. Brincam ou se refrescam imersos numa banheira ou num recipiente com água ou, ainda, ensopados sob o fluxo do chuveiro (veja-os na água, no YouTube: Funny Bengal Cats in the tub - Kuma and Elton take a bath and shower). 

Sociabilidade 

Quem pensa em criar peixes, pássaros e outros pequenos animais junto com o Bengal, precisa tomar bastante cuidado: é difícil para o Bengal resistir ao forte instinto de caça.


Saúde
Atualmente, a criação mundial de Bengals trabalha para combater a cardiomiopatia hipertrófica (aumento exagerado do músculo do coração), que é o mal cardíaco mais comum em gatos, com e sem pedigree, e cuja incidência na raça está entre as mais baixas, estimada em 2,2% pela veterinária de felinos Melissa Orr, de Campinas, SP. Os sintomas da doença incluem cansaço, redução de atividade, aumento da frequência respiratória e dificuldade na respiração, sem excluir a possibilidade de morte súbita.



Silvia Pratta/ Gatil Rio de Janeiro

Cores e marcações

As grandes entidades da gatofilia aceitam a marcação spotted – com marcas (spots) ou rosetas, como as dos grandes felinos – e a marble, ou mármore, com desenhos em posições aleatórias. Essas marcações sobre fundo marrom (brown) ou prata (silver), podem ser de cor preta (black) ou marrom (brown), quanto mais escuro, melhor. Há também o fundo snow, de tonalidade clara (seal), com marcações suaves e mais diluídas no tronco, encontradas em tom marfim, creme ou canela (sepia, mink ou lynx point). Geralmente, os Bengals têm listra horizontais nas extremidades (tabby); outros têm pintas e são mais valorizados. Já na barriga, as pintas são obrigatórias. Muitas vezes, ocorre ainda um brilho único na pelagem: o chamado glitter. Quanto mais brilhantes os pelos, maior a maciez. A cor mais comum e a mais procurada da raça é a brown tabby com marcação spotted black.

Filhotes

“A melhor idade para avaliar a marcação dos spotteds é entre as três e quatro semanas de vida”, orienta Solange. “Depois disso, cresce uma pelagem mais longa, que cobre parcialmente as marcações.” Já nos marbles, que nascem escuros, as marcas mais claras vão se formando aos poucos. “Nos dois casos, os filhotes exibirão a pelagem definitiva por volta dos 4 meses”, informa Solange.
A partir de um ano de idade, o Bengal amadurece. “É quando troco a ração de filhotes pela de adultos e também quando começo a cruzar as fêmeas (os machos podem ficar maduros um pouco antes ou um pouco depois disso)”, diz Solange.


Marcelo Palmeira/ Gatil Kashmircats



Perfil
Companheiros animados e presentes, os Bengals se mostram atarefados em boa parte do tempo com brincadeiras, investigações e perseguições, nas quais não faltam saltos, escalações e equilibrismo. Tudo isso, sem perder de vista as interações com os donos. São excelentes caçadores de bolinha, adoram tentar pegar penas sacudidas no ar e seguir objetos que se movem, por exemplo. Perseguem velozes como um raio o deslocar de um ponto luminoso de caneta laser
.

A raça também gosta de passear conduzida com guia. A maior disponibilidade dos Bengals para o aconchego com o dono fica para quando relaxam (desde que não estejam em local elevado, fora de mão), tornando-se totalmente disponíveis para receber carinhos, ser massageados e até procurar um colo, apesar de essa não ser a praia preferida deles (veja atividades e relaxamentos rotineiros da raça no YouTube: A day in the life of Bengal cats).



(conheça mais sobre o Bengal e outras raças felinas clicando aqui)