A ocorrência de problemas de pele aumenta no verão

Categoria: Educação/ Consultório

Autor(a): Tantas | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 19/01/2018 - 16:29

Dermatites alérgicas podem acometer seu cãozinho. Veja o que fazer!

iStock/ anurakpong

iStock/ anurakpong

A chegada do verão marca o aumento do número de casos de dermatite em cães. O clima quente e úmido da estação favorece a proliferação de fungos, ácaros, carrapatos e pulgas. Esses fatores somados às reações alérgicas que podem acometer a pele dos animais trazem uma série de transtornos.
 

A dermatite alérgica à picada de ectoparasitas (DAPE) é um dos tipos de enfermidade que mais acomete os cães nesta época. “A DAPE é uma reação decorrente da hipersensibilidade dos animais aos componentes da saliva e/ou picada dos ectoparasitas, como pulgas e carrapatos. É comum que após serem picados, os cães apresentem coceira (prurido) intensa. A coceira é o sintoma primário, seguido por lambedura em excesso. Alguns animais ficam tão incomodados que acabam mordiscando a pele ou se coçam com as próprias unhas, o que pode ocasionar lesões”, explica a médica-veterinária e gerente de produtos da unidade pet da Ceva Saúde Animal, Priscila Brabec.
 

A região dorsal, principalmente o lombo e a base da cauda, mas também orelhas, patas e abdômen são as áreas que costumam ser afetadas com mais frequência pela doença. Pesquisas indicam que mais de 70% dos cães sofrem com essa alergopatia, que gera lesões cutâneas secundárias provenientes do prurido intenso. Entre os sintomas mais comuns estão alterações na coloração dos pelos, descamação e queda de pelo (alopecia), além de infecções nas orelhas (otites).


iStock/ PavelRodimov

O uso de ectoparasiticidas é a principal forma de evitar a DAPE. “Os tutores devem aplicar mensalmente produtos com ação contra pulgas e carrapatos, mesmo nos animais que não vão com frequência à rua. A escovação diária também ajuda, pois remove a sujeira e os pelos mortos, bem como é importante combater esses parasitas do ambiente para que o animal não se mantenha infectado”, conta Priscila.
 

A dermatite atópica (DA) ou atopia, uma inflamação crônica da pele, é outro tipo de enfermidade que acomete os cães com frequência. Estima-se que três em cada 10 animais que vivem em grandes cidades sofram com a doença. Entre os principais sintomas estão prurido, ressecamento da pele, lesões cutâneas, e otite, que podem ainda gerar estresse e fadiga. “A DA é caracterizada por uma alteração cutânea que permite a passagem de alérgenos e a colonização e proliferação de microrganismos na pele do animal”, conta Priscila.
 

Por conta da coceira intensa, os animais acometidos ficam com a pele extremamente sensível e costumam apresentar inflamações cutâneas com lesões na face, orelhas, patas e abdômen. Alguns fatores podem agravar os sintomas, como o uso de roupas, alimentos industrializados e o uso de produtos de limpeza no ambiente, além da presença de ectoparasitas. Fatores emocionais como a síndrome do abandono também podem agravar a enfermidade.
 

A dermatite atópica não tem cura e seu tratamento consiste na diminuição dos sintomas. “Hoje, o mercado pet oferece uma série de soluções que auxiliam no controle da sintomatologia e trazem qualidade de vida para o pet”, afirma Priscila.

iStock/ hedgehog94

A hora do banho é um momento muito delicado para os portadores de DA. Os animais devem utilizar produtos específicos e a higienização deve acontecer semanalmente e individualmente. O pet não pode tomar banho com água quente e não pode utilizar secador com vento quente.