Descubra como trabalha o tosador do seu cãozinho

Categoria: Convivência

Autor(a): Samia Malas | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 30/01/2018 - 15:08

Conheça as técnicas e os equipamentos utilizados pelos tosadores e suas funções

iStock/ mikhasik

iStock/ mikhasik

Algumas regras fazem toda a diferença quando se tosa cães. Veja técnicas, equipamentos e suas funcionalidades, com a explicação do renomado esteticista de animais, William Galharde.
 

Máquina de tosa – É o principal instrumento para a tosa de pelagens caninas, pela praticidade, rapidez e bom acabamento. A máquina de tosa deve ser específica para cães, já que suas pelagens necessitam de mais potência e resistência que os cabelos humanos, pela maior quantidade de pelos e também por terem texturas mais rústicas e oferecerem situações mais difíceis de trabalhar, como a dos pelos embolados. 

Para não produzir marcas e degraus na pelagem, a máquina de tosa deve ser sempre passada no sentido do crescimento dos fios.


iStock/ Jevtic
 

Lâminas da máquina de tosa – São comercializadas com diferentes numerações, cada qual correspondendo a uma altura de pelo.

Nas tosas de manutenção periódica, é comum usar lâminas de numerações variadas, conforme a parte do corpo que está sendo trabalhada. Uma tosa harmoniosa da parte superior do Schnauzer, por exemplo, pode ser feita com lâmina #10 nas regiões da garupa e da cauda, com lâmina #7 no meio do corpo até próximo à escapula (no “ombro” do cão) e daí até a base do pescoço com lâmina #5, procurando formar uma linha perfeita. 

Já quando se quer deixar os pelos bem curtos, como no caso de excesso de nós, usa-se uma única lâmina em todo o corpo. Uma boa opção é deixá-los com dois a quatro centímetros de comprimento. 

Manter em dia a afiação e a lubrificação das lâminas é importante para que não puxem a pelagem nem enrosquem nela.
 

Tesoura– A finalização da tosa é feita com retoques que têm como objetivo deixar o aspecto da pelagem o mais homogêneo possível. Para tanto, os pelos desalinhados são aparados, de preferência com tesoura sem pontas ou com pontas protegidas, e com fio de corte a laser, para evitar ferimentos (o maior poder de corte do fio navalha machuca mais facilmente o animal em caso de movimento inadequado). Usa-se tesoura curva ou reta, conforme preferência do usuário. A tesoura curva pode ser usada próximo aos olhos, ao fazer os contornos da cabeça e da face, o acabamento nos pés e ao redor da virilha. Há também a tesoura dentada ou tesoura tubarão, para desbastar o volume da pelagem em áreas de transição entre pelos cortados com lâminas de diferentes numerações. Basta ter uma de cada dessas três tesouras. 
 

Snaps - São pentes adaptadores para máquina de tosa que permitem cortar os pelos deixando-os bem altos. Ajudam muito a homogeneizar o acabamento além de eliminar o risco de machucar o cão com tesoura.


iStock/ Denisfilm
 

Pente de metal – Usado para direcionar os fios ao fazer o acabamento, podendo também deixá-los mais retos bem como erguê-los, dependendo de como é passado.
 

Manter o animal calmo – Ter paciência e tranquilidade com o cão durante a tosa é um requisito essencial para conseguir tosar. Petiscos para conquistar a cooperação do animal são um bom recurso. Ao tosar, se houver dificuldade de aceitação por parte do cão, é melhor não começar pelas partes do corpo que costumam causar maior reação, que são o rosto e as orelhas, a pele da barriga e das axilas, a região dos genitais e as almofadinhas das patas.
 

Uso das mãos – Enquanto uma das mãos segura a máquina de tosa, a outra é usada tanto para ajudar na contenção do animal quanto para facilitar a passagem da máquina, posicionando bem os pelos e segurando as dobras de pele, por exemplo.
 

Alergia a lâminas – Se o animal apresentar coceira e vermelhidão logo depois do uso da máquina de tosa, é sinal de que ele é alérgico às lâminas. Nesse caso, a opção é tosá-lo inteiramente com tesoura.