Leishmaniose em cães: Tudo o que você precisa saber sobre a doença

Categoria: Educação/ Consultório

Autor(a): Pet Care | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 06/02/2018 - 10:23

Prevenção da doença ainda é a forma mais efetiva de combate

 iStock/ jarun011

iStock/ jarun011

 O aquecimento global associado ao aumento do número de viagens com animais, quer seja no período de férias e mesmos nos finais de semana, quando o cão acompanha a família ao interior ou litoral, trouxeram a leishmaniose para perto das grandes cidades e, consequentemente, para perto de nós, humanos, já que é uma zoonose.

 Antes restrita às regiões norte e nordeste do país e, mais recentemente, ao interior do estado de São Paulo, hoje já temos casos diagnosticados também na grande São Paulo. Além desses casos nas cidades ao redor da capital e no interior, há focos da doença no litoral, portanto as viagens também apresentam risco de o pet contrair a doença.


iStock/ Dr_Microbe

O que é leishmaniose?
A leishmaniose visceral, popularmente conhecida como calazar, é uma doença causada por um protozoário do gênero leishmania, transmitido ao animal pela picada do inseto, o flebótomo, também conhecido como mosquito-palha. Os cães e os animais silvestres são os principais reservatórios da doença, porém a doença afeta também seres humanos.

Como saber se o meu animal está contaminado?
O diagnóstico da leishmaniose pode ser feito através de amostras de sangue ou biópsias de gânglios. O médico veterinário poderá indicar o método mais adequado.

Quais são os sintomas da doença?
Os animais contaminados podem apresentar desde ausência de sinais clínicos até alterações importantes como febre intermitente, perda de peso, alterações da pelagem (eczema, descamação, perda da qualidade e volume do pelo, úlceras), crescimento exagerados das unhas entre outros.

Como prevenir que meu animal fique doente?
Hoje além do controle do foco dos mosquitos, podemos proteger os nossos cães com vacina anual sempre associada à medicação preventiva (repelente) a picada do mosquito na forma de coleiras e pipetas de aplicar na nuca do animal.


iStock/ cynoclub

Por que vacinar meu cão?
A vacinação aumenta a chance de o animal ficar protegido contra leishmaniose e pode ajudar no controle da doença e do risco de transmissão às pessoas. A leishmaniose além de causar grande sofrimento ao animal por provocar lesões viscerais e de pele, também pode ser transmitida ao homem.

Existe tratamento para a leishmaniose?
Sim, hoje já existe tratamento para a leishmaniose, mas a prevenção ainda é o melhor remédio.