Cães micros são saudáveis?

Categoria: Saúde

Autor(a): Samia Malas | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 06/03/2018 - 13:57

Veja opinião de especialista sobre a polêmica das raças com porte "micro", ou "zero"

iStock/ damedeeso

iStock/ damedeeso

Pergunta:
Quero pegar um cachorrinho bem pequeno, pois moro em apartamento. Não entendo muito de raças, mas ouvi falar que existem “cães zero” ou “micros” e, pelo que andei pesquisando, vi que esses cães normalmente têm mais problemas de saúde, isso é verdade? Também gostaria de saber se essa nomenclatura usada para os tamanhos está correta, e quais são as menores raças de cães que posso encontrar.

Marcella Rios - leitora Cães & Cia.


iStock/ humonia
 

Marcella, o padrão da maioria das raças estabelece um tamanho mínimo e máximo que cada uma deve ter, sendo que as nomenclaturas “micro” ou “zero” são apenas comerciais, não existindo na descrição formal de nenhuma raça. Na prática, observamos que, em algumas ninhadas, os filhotes acabam ficando menores do que o tamanho mínimo estabelecido pelo padrão. São esses os cães vendidos como “micros” ou “zero”. Em nosso canil, por exemplo, os cães de tamanho micro são obtidos pelo acasalamento dos menores exemplares da raça. Não fazemos manipulação genética nem qualquer outro artifício para que o cão se torne pequeno. Seu tamanho é reduzido porque toda a linhagem (pais, avós e bisavós) tem porte pequeno. O padrão CBKC da raça Maltês, por exemplo, estabelece que um cão adulto deve pesar entre 3 e 4 quilos. Em nosso canil conseguimos obter Malteses saudáveis pesando até 2,5 quilos. No entanto, Malteses com menos de 1,5 quilo tendem a ter problemas sérios de saúde, portanto não criamos nem incentivamos a criação de exemplares com menos de 1,5 quilo. Somente assim conseguimos obter cães saudáveis de porte diminuto com todas as outras características que o padrão exige.

Apesar de serem mais frágeis, a maioria desses cães é saudável e vive durante muitos anos. Mas é preciso tomar cuidado na hora da compra para garantir que você está levando para casa um animal saudável. No processo de miniaturização, cães demasiadamente pequenos correm risco de ficar com a estrutura física geral comprometida. Entre os problemas decorrentes podem aparecer hidrocefalia, epilepsia, luxação de patela, anemias e males cardíacos e hepáticos.

 Ao comprar seu cão, certifique-se de que os pais são saudáveis e de que ele está bem alimentado (sem sinais de desnutrição), vacinado, vermifugado. Exija do criador um contrato de garantia de saúde para doenças congênitas.   

As menores raças de cães existentes hoje no Brasil são o Chihuahua, o Yorkshire Terrier, o Poodle Toy, o Maltês, o Spitz Alemão Anão e o Pinscher Miniatura.

 

 

Ellen Thais Leite,

criadora de cães e proprietária do canil Berçário Dos Filhotes. 

www.bercariodosfilhotes.com.br