Como ensinar cães grandes a não pularem nas pessoas?

Categoria: Educação

Autor(a): André Barreto | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 19/03/2018 - 11:08

Saiba como evitar este comportamento canino comum, mas que pode estragar a roupa, machucar com arranhões e até nos derrubar

iStock/ majivecka

iStock/ majivecka

 


Nem todos gostam de cães que ficam pulando para chamar a atenção e receber carinho. O problema é proporcional ao tamanho do animal. Enquanto um cão pequeno ou de médio porte alcança desde os nossos joelhos até a cintura, os grandes e gigantes atingem da cintura para cima. Quanto maior o cão, mais desconfortável pode ser o pulo. Um Dogue Alemão, por exemplo, que consegue se apoiar nos ombros de uma pessoa adulta, além de causar desconforto pode derrubá-la e provocar acidente.

 

 

Causas dos pulos

Veja as causas mais comuns que levam os cães a pular nas pessoas:


iStock/ FotoimperiyA
 

1) Por ansiedade e para chamar a atenção: O animal quer comunicar um desejo quase incontrolável, como passear, comer ou brincar. Pula na pessoa para tentar iniciar uma interação esperando conseguir o que pretende. O exercício do item Como evitar pulos, mais adiante, ajuda a controlar a ansiedade. Praticar o “senta” e o “fica” antes das refeições, dos passeios, durante as brincadeiras e na entrega de recompensas também contribui para acostumar o cão a esperar.


iStock/ chris-mueller
 

2) Para pegar algo em suas mãos: Ao perceber algo nas mãos de alguém, o cão pode pular para pegar ou cheirar o que despertou a curiosidade dele. Se o objetivo for alcançado, associará “pular nas pessoas” com “conseguir ter ou cheirar o que está nas mãos delas”. Portanto, nunca entregue nada ao cão se ele pular em você. Espere ele estar com as quatro patas no chão e bem comportado.


iStock/ Chalabala
 

3) Por medo: Se os pulos ocorrerem repetidamente em situações pontuais como passeios, recepção de visitas e estouro de fogos ou trovões, é possível que o cão esteja pedindo socorro, ajuda e colo. Cauda entre as pernas e orelhas postadas para trás são indicativo de que algo o está amedrontando. Identifique o estímulo e treine para ele se sentir mais confortável e seguro nessas situações.


iStock/ Brezina
 

4) Por brincadeira: Os cães costumam brincar entre eles mordendo e pulando um no outro. Fazem o mesmo com os humanos. Se o gasto de energia com passeios e atividades diárias for insuficiente, aumenta a probabilidade de que os saltos estejam sendo realizados para queimar energia. Cabe ajudar o animal a colocar os músculos para funcionar brincando com ele de pegar bolinha ou frisbee.


iStock/ dimid_86
 

5) Por agressividade: Pular em cima das pessoas rosnando, dando o bote e até mordendo são sinais de agressividade. Uma variante é demonstrar força e controle físico pulando e agarrando as pernas ou o quadril da pessoa e atacá-la caso se movimente. Identifique a razão da agressividade e treine o cão para se manter controlado quando estiver perto de gente.



iStock/ cynoclub

 

6) Para se masturbar: Cães não castrados tendem a treinar a cópula nas pernas de pessoas. Para evitar ou pelo menos reduzir esse comportamento, castre o cão. Se mesmo castrado ele insistir em subir na perna das pessoas, poderá estar fazendo isso para chamar a atenção. Uma boa opção é recompensar comportamentos alternativos que possam ser usados pelo animal para chamar a atenção, como indicado a seguir no item Como evitar pulos.
 

7) Para saber o que você fez ou comeu antes: Se os pulos do cão estiverem sendo frequentemente direcionados para a sua boca, especialmente quando você acaba de chegar em casa, é porque ele quer, por meio do faro ou de lambidas, saber o que você comeu. Essa é também uma forma de o cão saudar o dono. Ensine para ele exercícios básicos de obediência e utilize-os nesses momentos.


Como evitar pulos
Filhote com até 4 meses

 

A maioria das pessoas se rende aos pulos que o filhote dá sobre as pernas delas. Exclamam “que fofinho!”, “ele quer colo!” e, enquanto isso, o cãozinho aprende que é bom pular nas pessoas. 

O problema é que ele cresce, fica maior e mais pesado, e os pulos passam a ser um transtorno cada vez maior. Podem até chegar a ponto de derrubar pessoas ou coisas que estiverem nas mãos delas ou, ainda, causar feridas por arranhões ou rasgar a roupa. Ensinar o filhote a se comportar desde cedo é a melhor solução.
 

Para treinar, mostre ao cão o brinquedo ou petisco favorito dele, segurando-o na altura do peito. Aguarde por 10 segundos. Se o cão não pular, clique e recompense. A intenção é mostrar que permanecer com as quatro patas no chão resulta em prêmio. Caso ele pule, dê um passo para traz e vire de costas para ele. Aguarde por 10 segundos e volte a ficar de frente. Repita o exercício desde o início até que o cão permaneça aguardando com as quatro patas no chão. Então, clique e recompense.
 

A melhor forma de dar atenção, carinho e petiscos a um filhote é oferecê-los somente se ele estiver com as quatro patas no chão. Sendo assim, ao notar o seu cão bem comportado, sentado ou deitado no chão ou na caminha dele, roendo um osso ou brinquedo, clique e recompense. A intenção é fazê-lo notar que manter as quatro patas no chão é uma ótima forma de conquistar o que ele quer. E que pular o faz ser ignorado. Mas quanto mais insistentes os pulos e maior e mais pesado o animal, mais difícil será ignorar os saltos dele. Veja, a seguir, como agir quando o cão não é mais pequenino.


iStock/ Aleksandr Zotov

 

Adulto ou filhote a partir dos 5 meses

Este exercício se assemelha ao anterior. A única diferença é que o cão fica na guia, segurado por um ajudante. A função dele é apenas ficar parado e, caso o cão tente pular em você, segurar a guia de modo que não consiga alcançá-lo, evitando que você se machuque.
 

Comece o mesmo exercício já mencionado (para filhote com até 4 meses). Se o cão não pular, aproxime-se dele e recompense-o. Caso ele pule, dê as costas para ele e afaste-se a uma distância tal que, por estar contido pela guia, não consiga alcançar você. Fique de costas para o cão por 10 segundos e retorne até ele. Repita o exercício até que ele aguarde a recompensa sem pular. Quando ele não tentar mais pular em você, repita o treino sem o ajudante, ou seja, com o cão solto.
 

Ao praticar, cuidado: pressão e impacto podem machucar o seu aluno de quatro patas. Portanto, não utilize enforcador. E instrua o ajudante a não puxar o animal pela guia (deve apenas segurá-la de modo que o cão não consiga avançar). Ao praticar o exercício, não empurre o cão com as mãos nem com os joelhos. Também não o prenda em pontos fixos como postes ou portões, já que o impacto pode machucar. Caso precise treinar com o cão na guia, peça sempre para alguém ajudar.


Quer receber dicas de adestramento todos os meses em sua casa? Assine já a Cães & Cia! Clique aqui.