Impressione as visitas em suas festas

Categoria: Educação

Autor(a): Camila Mello | Colaborador(es): Jornalismo TopCo | Cidade: Campinas | 04/12/2018 - 15:31

Veja como ensinar comandos básicos para manter o pet comportado, seguro e confortável durante os eventos

Foto: iStock.com/ IvonneW

Foto: iStock.com/ IvonneW

Independentemente de ser a primeira vez que você tem um pet em casa, como prioridade você deve levar em consideração como irá se comunicar com ele, afinal, falamos - humanos e cachorros - línguas distintas. Mas é importante reforçar que essa diferença não inviabiliza a comunicação entre pet e tutor, aliás, muito pelo contrário.

E é pensando nessa comunicação que adestrar o seu animal é a melhor solução. Quando falamos em adestramento, não significa que transformaremos o pet em um malabarista ou em um robô, como muitos dizem. Adestrar será exatamente a forma que teremos de nos comunicarmos com ele. Ou seja, será o jeito que poderemos entender o que ele espera de nós e o que nós esperamos dele. Essa aprendizagem mútua nos possibilitará incluir cada vez mais os cães nas nossas atividades diárias, como durante as festas de fim de ano. Nessa época, é comum que a casa fique cheia de convidados e que nos preocupemos com todos os preparativos do evento, que alteram a rotina e o ambiente do animal. 

É importante destacar que quanto mais a comunicação entre pet e tutor funcionar, mais equilibrado, seguro e feliz o cão se sentirá, pois ele aprenderá que você, como tutor, estará sempre no controle da situação, o que o deixará mais relaxado diante das mais diversas situações.

 

Pet educado

Um dos questionamentos que invariavelmente é feito quando há um cão em casa é: como vou fazer para receber as pessoas? Alguns de seus convidados podem ter afinidade com animais. Outros, no entanto, podem ter medo - o que é muito comum.Quando recebemos visitas, a verdade é que não queremos que o fato de ter um pet se torne um incômodo a elas, o que pode ocorrer quando o animal fica pulando ou pedindo comida e atenção a todo o momento. 

Além disso, é necessário sempre considerar a integridade física do cão. Situações banais, como o fato de alguém abrir o portão e o mascote fugir ou se machucar com talheres em cima da mesa, podem acontecer com a movimentação das pessoas na casa, o que é normal. Por isso, é sempre importante minimizar possíveis situações de risco para o animal e estar atento aos detalhes. 

Pensando nessas questões, ensinar comandos básicos e limites ao pet é de suma importância. Mas como podemos defini-los? São comandos que seu cão executará para se conectar com você e entender que deverá ter determinado comportamento. Alguns deles são “senta”, “deita”, “dá a pata”, “não”, “fica” e “solta”.

 

Sem pular nos amigos

Ao ensinarmos o cão a sentar, poderemos ajudá-lo a substituir o comportamento de pular, por exemplo. Esse comando ainda será o ponto de partida para os demais que ensinaremos. Logo, para que possamos receber as visitas sem uma excitação excessiva, o pet irá aprendendo que para receber um afago ou atenção precisará permanecer sentado.

Os comandos “senta” e “fica” poderão, e deverão, ser utilizados no dia a dia para as mais diversas atividades com o animal, com isso ficará cada vez mais frequente a atitude, por parte dele, de sentar e permanecer nessa posição.

Mas como isso funcionará na prática? Quando alguém tocar a campainha, pediremos para o pet sentar a uma distância adequada para abrir a porta e, assim, a pessoa conseguirá entrar, sem ter que “pedir licença” a ele ou ser recebida com um pulo de alegria. Ensinar esse comando mostrará ao cachorro que ele não deverá agir impulsivamente. É importante ressaltar que o “senta” não é para que o cão não saia do lugar, mas, sim, para que ele não pule. Já o comando ideal para o cachorro aprender a se manter parado é o “fica”. 

 

Aprenda:

Partindo da posição sentada, para que o pet fique assim, espalme a mão na frente dele, diga o comando “fica”, dê um passo para trás e volte em seguida para perto do animal. Ofereça uma recompensa caso ele permaneça no local. Aumente o número de passos para trás aos poucos, quando você estiver seguro de que seu cão não irá levantar, e aumente gradativamente o tempo para voltar até ele. 

Isso fará com que você, tutor, receba as visitas sem que o seu amigo pule em cima delas, o que também ajudará na hora de abrir os portões com segurança, para que nenhum fujão se aventure fora de casa.

 

Foto: iStock.com/ Halfpoint

 

Calmo, longe da mesa

 O cão saber o comando “deita” poderá ajudá-lo a entender que no momento em que estiver assim deverá se entreter, por exemplo, com algum brinquedo em sua caminha ou cantinho favorito. Dessa forma, você ficará tranquilo e terá a certeza de que seu cãozinho não ficará rodeando uma mesa cheia de alimentos.

 

Aprenda:

Para ensinar o comando ao seu amigo, parta da posição sentada e, de novo, posicione um petisco bem próximo ao focinho dele. Para isso, leve a mão para baixo devagar, em linha reta, até que o cão encoste a barriga no chão, e libere o prêmio em seguida. Alguns pets podem apresentar dificuldade em executar esse comando e podem, durante o movimento, levantar o traseiro. Mas não desista, pois com paciência e carinho ele entenderá o que você espera.

 

Evite chateações

O animal saber o que significa a palavra “não” será muito importante para a convivência tranquila dele com tutores e visitas. Ensinar ao pet que o “não” significa que ele deve parar o que estiver fazendo ou, ainda, que ele não deve executar aquilo que pretende fazer, é essencial.

Podemos entender esse comando como uma espécie de interrupção de comportamento. Com isso, se você usá-lo como limite para o caso de o cão tentar pegar uma comida da mesa em uma festa, por exemplo, esteja certo de que ele não será rotulado como “mal-educado”.

 

Aprenda:

Novamente da posição sentada, coloque um petisco no chão. Com as mãos ou com o auxílio de uma guia, impeça o cão de pegar o petisco e fale “não.” Ele tentará pegar aquele estímulo, provavelmente será insistente, mas com a frustração deverá desistir. Ao primeiro sinal de desistência, recompense-o com outro petisco. 

 

Sem comer o que não deve

 O pet saber o que significa “solta” poderá ajudá-lo quando ele estiver com algo inadequado na boca, inclusive aquela comidinha que sem querer cair no chão. Também poderá acontecer de o cão querer chamar a atenção e pegar algum objeto ou peça de roupa para que seja notado. Se ele não conseguir o que quer pegando o objeto, poderá estragá-lo, então, antes disso é preciso que ele entenda que tem que soltar o que pegou ao ouvir esse comando.

Essa é a maneira mais segura de fazer com que o pet solte qualquer tipo de objeto que não deveria estar em sua boca. Isso porque se optarmos por correr atrás dele para tirar o que quer que seja, o animal poderá achar que estamos querendo brincar e, então, se afastará ainda mais de nós, como se fosse uma brincadeira de pega-pega. Em outros casos, ele poderá ter receio de tomar uma bronca e acabará tentando engolir o objeto para escondê-lo, o que poderá lhe trazer danos à saúde.

 

Aprenda:

A maneira mais divertida e eficaz de ensinar o cão a soltar é na hora da brincadeira. Utilizando dois brinquedos, jogue um para que o pet busque e estimule-o a trazer de volta para você. Quando ele trouxer, mostre outro brinquedo na intenção de despertar o interesse do animal. Quando ele abrir a boca e soltar aquele brinquedo que trouxe até você, use o comando “solta” e jogue o outro objeto. Com as repetições, em pouco tempo você poderá usar um só brinquedo e provavelmente o peludo terá entendido que quando ouvir esse comando deverá abrir a boca e, logicamente, soltar o objeto.

 

Benefícios

Muito mais do que impressionar as visitas, todos esses comandos trarão segurança tanto para você quanto para o pet. Além disso, vocês certamente receberão elogios de quem frequentar suas festas e as pessoas não terão receio de aceitar futuros convites para ir à sua casa.

“Fazer bonito” para as vistas é legal, mas ter a certeza de que o cão sabe respeitar todas essas regras é muito melhor para ele. Isso porque, agindo conforme o esperado, o amigo poderá participar sempre dos eventos da família e será um animal equilibrado e feliz, fazendo com que você sinta cada vez mais orgulho dele. Por isso, “mãos aos treinos”!

 

Camila Mello

Franqueada e adestradora da Cão Cidadão de São Paulo.