Filhote ou adulto?

Categoria: Educação/ Consultório

Autor(a): Christhiani Pereira | Colaborador(es): Jornalismo TopCo | Cidade: Campinas | 01/02/2019 - 12:22

Saiba o que considerar sobre a idade do seu novo companheiro peludo quando for aumentar a família canina

Foto: fotojagodka /iStock.com

Foto: fotojagodka /iStock.com

Na hora de escolher um cãozinho de estimação pode aparecer a dúvida: filhote ou adulto? Muitas pessoas são prontamente seduzidas pelo olhar e pelo jeitinho apaixonante dos filhotes, mas é importante entender um pouco mais sobre a real necessidade deles (ou da maioria deles). Já para quem pensa que um cão adulto demanda pouco tempo, é indispensável compreender que os cães têm necessidades para seu bem-estar físico e mental. 

 

Está pensando em aumentar a família canina ou em contar com a companhia de um cão pela primeira vez? Reunimos algumas “vantagens” e “desvantagens” dos filhotes e dos animais adultos. 

 

Foto: fotojagodka /iStock.com

 

FILHOTES

 

Ao escolher um filhote, em primeiro lugar devemos nos lembrar de que provavelmente ele foi separado da mãe e agora tem somente a nós, tutores humanos, como referência sobre o que pode ou não fazer. Isso quer dizer que se não ensinarmos a ele como as coisas devem acontecer, ele aprenderá de uma forma ou de outra, com ou sem a nossa presença.

 

Mordidas e destruição

Filhotes costumam ser mais ativos e muito curiosos, o que desperta uma das necessidades mais comuns entre eles: a mordedura. As mordidas são comportamentos naturais dos cães, seja para se distrair, coçar a gengiva ou até mesmo brincar. Mas é nessa hora que devemos mostrar ao filhote o que ele pode e não morder. Nessa fase, devemos direcionar as mordidas para brinquedos apropriados, como os de nylon ou emborrachados feitos especialmente para eles. E a brincadeira sempre deve ocorrer com supervisão. 

 

O mais importante é lembrar que o comportamento correto deve ser recompensado com carinho ou elogios, pois, dessa forma, deixamos mais claro aos pets o que esperamos deles. 

 

Período de sociabilização

Participar desse período do filhote é uma grande vantagem e também uma responsabilidade, pois é aí que ele terá suas primeiras apresentações a pessoas, cães sociáveis, gatos, crianças, barulhos e estímulos externos. 

 

As apresentações a barulhos de trovões, aspirador de pó, secador de cabelo, sopradores, gravações de fogos de artifícios, trovões e outros sons também devem ser feitas, mas com calma para não assustar o animal, ou seja, de forma gradativa. É crucial que sejam associações sempre positivas, para que o pet acostume e não desenvolva traumas, medo excessivo ou corra o risco de se tornar reativo por ter vivenciado uma experiência ruim com o estímulo ou não conhecê-lo.

 

É importante lembrar que no período de vacinação o cãozinho terá restrições a passeios no chão e contato com ambientes não seguros. Ainda assim, é possível selecionar locais confiáveis para que essa apresentação seja feita e a, boa sociabilização, garantida.

 

Personalidade do cão

Na mesma ninhada é possível ter cães com diferentes personalidades, sendo alguns naturalmente mais tímidos, outros mais agitados, carinhosos e há até os medrosos. 

 

No filhote existe a vantagem de treinar e sociabilizá-lo em sua primeira fase de sociabilização. Porém, ainda assim, poderão existir exceções em que o cão tende, por questões genéticas, a apresentar alguns comportamentos mais reativos, agressivos ou até medrosos, que já são demonstrados nessa fase. 

 

Em casos mais complexos, em que o tutor encontra dificuldades já nessa etapa, é recomendada a orientação de um profissional comportamental para que a família entenda como passar por essa fase e lidar com o pet.

 

Tamanho/ porte

É possível ter uma ideia do tamanho do animal quando conhecemos a mãe e o pai dele, mas muitos SRDs (sem raça definida) são separados da mãe muito cedo, o que torna um pouco mais difícil identificar o tamanho que ele ficará. Nesses casos, uma dica é reparar em características físicas do animal, como o tamanho das patas e orelhas em relação ao seu corpo, junto ao acompanhamento do crescimento com um veterinário.

 

Foto: GlobalP /iStock.com

 

CÃES ADULTOS

 

Personalidade já definida

A grande vantagem de adotar um cão adulto talvez seja a sua personalidade já madura e definida. É crucial identificar as principais vontades do cão adulto e suas brincadeiras preferidas, pois no geral eles são menos ativos que os filhotes.

 

Nos cães de raça definida, a família consegue estudar a respeito e entender se a raça se encaixa no perfil e na rotina da família, mas em ambos os casos as características vão além de tamanho e aparência.

 

Fase adulta é mais tranquila

Mesmo na fase adulta, os cães também necessitam gastar energia e podem gostar de brincadeiras que envolvem mordidas. Mas calma! Comparado ao filhote, o animal adulto tem mais foco e consegue entender melhor que os brinquedos servem para essa finalidade, principalmente se esse comportamento for reforçado positivamente, uma vez que o passeio é muito importante para o adulto também.

 

Relacionamento com outros cães

Muitos cachorros adultos de ONGs ou de rua estão acostumados a conviver com outros cães. Por esse motivo eles podem ser boas opções para quem não tem tempo para construir e participar de todo o período de sociabilização (a fase mais ativa do filhote pode durar entre um ano e meio e dois anos). 

 

E caso você tenha escolhido um cão adulto e só depois identifique algum problema comportamental, não desanime, pois é possível treiná-lo mesmo mais velho. Pode ser que leve um pouco mais de tempo, mas com paciência e dedicação é possível alcançar o objetivo desejado. 

 

Necessidades básicas dos cães

Os cães possuem necessidades que vão além do nosso amor e atenção. Antes de tudo, eles precisam identificar a liderança em sua nova casa, além de contar com atividades mentais e físicas. 

 

Aposte no enriquecimento ambiental para te ajudar, que é quando deixamos o local em que o pet fica mais preparado com brinquedos e estímulos interessantes. É preciso também levá-lo diariamente a passeios, além de praticar comandos e brincadeiras que o estimulem mentalmente.

 

Contribuir com uma vida mais feliz e comunicativa para o amigo de quatro patas é fundamental para a vida social dele. Se precisar de ajuda, conte com um adestrador profissional.