Uma loira divulgou como o Chihuahua é portátil

Categoria: Raças

Autor(a): Marcos Pennacchi | Colaborador(es): JORNALISMO | Cidade: Campinas | 05/12/2019 - 13:26

O filme Legalmente Loira aproveitou a popularidade do Chihuahua estimulada pela Taco Bell e deixou bem evidente que se pode ir a qualquer lugar na companhia desse cãozinho

Fotos: arquivo Metro-Goldwyn-Mayer

Fotos: arquivo Metro-Goldwyn-Mayer

A Loira do título é Elle Woods, a personagem principal de dois filmes Legalmente Loira. Principal, em termos. Sem o inseparável Bruiser Woods, ela não seria Elle Woods. Sempre acompanhada pelo cãozinho, o leva no colo, na bolsa,  numa sacola ou na guia. No primeiro filme, lançado nos Estados  Unidos em julho de 2001, Elle frequenta a universidade de Harvard para provar a um ex-namorado que não é loira burra. Forma-se com louvor e vai trabalhar numa grande corporação, sempre na companhia de Bruiser. O sucesso do filme foi enorme. Faturou mais de 140 milhões de dólares, o que corresponde a cerca de 30 milhões de ingressos vendidos, 70% deles nos Estados Unidos, mais uma prova da simpatia popular local conquistada pelo Chihuahua com os comerciais da Taco Bell.

 
Arquivo Walt Disney Studios Motion Pictures

As estatísticas de registro de filhotes do American Kennel Club (AKC) mostram que a raça, posicionada em 12o lugar em 1996, um ano antes do início da campanha da Tac Bell, subiu para a 9a posição em 2001 e 2002, depois de ter atingido seu pico – 7o lugar, em 1999. Como consequência do sucesso do filme, em 2003 era lançada o Legalmente Loira 2, agora com uma Chihuahua adicional. Elle descobre que a mãe de Bruiser é cobaia em testes com animais e consegue motivar o Congresso a aprovar uma lei de proteção animal.

Tanto Moonie, no papel de Bruiser, quanto Gidget (sim, a dos comerciais da Taco Bell), como mãe de Bruiser, foram treinadas pela mesma Sue Chipperton da página anterior. “Bruiser tem aparência bem específica, com porte minúsculo, orelhas pequenas e sem os olhos esbugalhados que muitos Chihuahuas exibem”, comenta Sue. “O aprendizado dos cães foi fácil, já que em ambos os filmes houve poucos comportamentos que exigiram treinoespecífico”, acrescenta. “A parte mais difícil foi mesmo proteger os Chihuahuas de eventuais sustos durante as filmagens.”

OUTRA LOIRA SOMOU GLAMUR À RAÇA

Paris Hilton, já famosa, depois de ver Legalmente Loira adotou um Chihuahua e, com ele, esbanjou charme na mídia. Em outubro de 2002, depois de assistir a Legalmente Loira, a socialite, modelo e atriz Paris Hilton, famosa internacionalmente, adotou o Chihuahua Tinkerbell. Logo as pessoas se acostumaram a ver imagens de Tinkerbell nos braços de sua “mãe” circulando pelo glamouroso cenário de Hollywood, trajado de acordo com a última moda. Revistas, noticiários de TV e blogs de fofocas mostraram Tinkerbell fazendo compras, comparecendo a estreias ou simplesmente caminhando ao lado de Paris. Tinkerbell também participou dos 54 capítulos do seriado The Simple Life, conduzido por Paris e apresenta- do nos canais Fox (2003 a 2005) e E! (2006 a 2007).

Em pouco tempo, dezenas de celebridades passaram a ser vistas na companhia de Chihuahuas. Entre elas, as cantoras Madonna e Jennifer Lopez e a atriz Demi Moore. O Chihuahua havia se tornado o cão dos famosos e tema para clicadas da imprensa dedidicadaa fofocas.

E A DISNEY PEGOU CARONA

Em 2008, a Disney, maior conglomerado de mídia e entretenimento, lançou uma superprodução com cães centrada apenas numa raça. Adivinhou qual?

O nome original do filme, que no Brasil virou Perdido pra Cachorro, diz tudo: Beverly Hills Chihuahua. É em Bevervely Hills, distrito vizinho a Hollywood, repleto de mansões luxuosas e de celebridades, que vive a estrela principal do filme, a Chihuahua Chloe. Seqüestrada na Cidade do México, ela conta com vários cães dispostos a salvá-la, entre eles Papi, outro Chihuahua, apaixonado por ela.

Com mais de 200 cães participantes, de cerca de 30 raças e vários SRDs, Perdido pra Cachorro tem muita ação, efeitos especiais e treino “O adestramento foi feito por 60 profissionais durante 20 semanas, com técnicas de reforço positivo à base de petiscos e método clicker”, conta Mike, Alexandre treinador-chefe da Birds & Animals, da Califórnia, empresa especializada em preparar animais para comerciais, filmes e TV.

O lançamento faturou mais que Legalmente Loira: quase 150 milhões de dólares (que correspondem a
mais de 30 milhões de ingressos) e gerou dois novos filmes: Perdido pra Cachorro 2, em 2011, no qual Papi e Chloe se casam e têm uma linda ninhada, e, em 2012, Perdido pra Cachorro 3. “Para essas sequências, bastaram de seis a oito semanas de preparativos, pois os cães já estavam bastante treinados”, diz Alexander. Ele conta que tanto Rusco, intérprete de Papi, quanto Angel, de Chloe, foram ótimos atores. “Os dublês de ambos nem precisaram ser usados.” Com a popularização, o Chihuahua tem atraído criações de fundo de quintal, que não selecionam acasalamentos e trabalham em condições precárias. Antes de adquirir um exemplar, portanto, é importante procurar bons criadores.

Texto: Marcos Pennacchi e Fabio Bense • Reportagem: Fabio Bense • Coordenação de imagem: Angela Finocchiaro • Checagem (intermediada por Fabio Bense): feita pelos entrevistados